Arqueiro do Palmeiras conquista medalhas no Parapan e garante vaga nas Paralimpíadas de Tóquio

O arqueiro Heriberto Roca fez bonito com a Seleção Brasileira no Parapan-Americano de Tiro com Arco, disputado entre os dias 22 e 28 de março, em Monterrey, no México. Além de conquistar duas medalhas de prata, o atleta também garantiu a vaga para os Jogos Paralímpicos de Tóquio, previstos para os meses de agosto e setembro deste ano.

“Eu fui além das minhas expectativas no torneio e consegui bater o meu recorde pessoal com 597 pontos após 72 flechas atiradas. Com esse resultado, também tivemos o recorde das Américas”, ressalta Heriberto, que se sagrou campeão brasileiro de Tiro com Arco Paralímpico Outdoor (70m) em dezembro de 2020.

Heriberto voltou para o Brasil com duas medalhas de prata (Foto: arquivo pessoal)

Atleta do Verdão desde 2020, Roca conquistou a primeira medalha na última quarta-feira (24) na prova por equipe mista no arco recurvo (arco composto por lâmina, punho e corda). Ao lado de Fabíola Dergovics e em uma distância de 70 metros, o atleta palestrino teve atuação de destaque e ficou próximo do ouro, que terminou com o México.

Já nas competições da última sexta-feira (26), foi a vez do arqueiro disputar a final do arco recurvo masculino. No combate, o atleta foi superado pelo placar de 6 a 2, mas garantiu mais uma vaga para o Brasil nas Paralimpíadas de Tóquio.

“Eu fui focado, sabia que existiam as vagas e que eu precisaria dar o meu melhor para conquistá-la. Na semifinal, o nosso técnico avisou que eu tinha conseguido a vaga, mas, ainda assim, queria mais e busquei a final. Estou muito feliz, essa será a minha terceira Paralimpíada em uma modalidade diferente e o meu objetivo é ficar entre os três melhores arqueiros do mundo”, destaca Heriberto, que foi atleta de basquete em cadeiras de rodas por 15 anos.

Arqueiro palestrino posa com companheiros de Seleção Brasileira no Parapan (Foto: arquivo pessoal)

Além de prometer dedicação para melhorar cada vez mais o seu desempenho, o atleta também sabe da importância de suas conquistas para a modalidade no país. “Quero ir até Tóquio para conquistar, pois isso é muito importante para o esporte paralímpico brasileiro de uma forma geral. Eu quero representar os deficientes e mostrar que nós temos capacidade de treinar, trabalhar e sermos atletas”, conclui.

O Brasil encerrou a participação no torneio com nove medalhas (duas de ouro, seis de prata e uma de bronze) e garantiu mais quatro vagas, de um total de cinco, para o país para os Jogos Paralímpicos de Tóquio.

Verdão promove peneira de futsal para garotos nascidos em 2014 e 2015

O Palmeiras iniciou nesta sexta-feira (05) as inscrições para a seletiva de futsal da temporada de 2021. A peneira é destinada para atletas da categoria Sub-7 (nascidos em 2014 e em 2015) e para participar, basta clicar aqui e preencher ao formulário.

Após a efetivação da autorização e confirmação da data, horário e local do teste por parte do Palmeiras, o interessado tem de comparecer à peneira com material e uniforme adequados à prática do futsal (chuteira de futsal, shorts, meião e camiseta). Além disso, os inscritos também devem portar o formulário de inscrição impresso, RG original e um atestado médico de 2021.

A categoria Sub-7 foi criada em 2020 pela Federação Paulista de Futsal (FPFS) e deve disputar pela primeira vez o Campeonato Paulista de Iniciação e o Torneio União de Clubes neste ano.

Departamento de Comunicação

A vitoriosa história do Maior Campeão do Brasil e a inigualável paixão da torcida palestrina são os destaques da edição 57 da Revista Palmeiras, lançada nesta terça-feira (12) em plataforma multimídia. Para acessar o conteúdo completo, baixe agora mesmo o App Revista Palmeiras na Play Store ou na Apple Store.

A Reportagem de Capa resgata, por meio de fotos inéditas e relatos publicados em jornais antigos, a conquista do Campeonato Paulista de 1920, o primeiro título de grande importância alcançado pelo clube. A Reportagem Histórica, por sua vez, conta a trajetória do ex-atacante argentino Osvaldo Héctor Cruz, que, aos 89 anos, é o único titular vivo do time campeão da Taça Brasil de 1960.

Em Palmeiras, Minha Vida é Você, conheça o torcedor do interior de Minas Gerais que decorou a casa com camisas do Verdão. Já a seção Palestrinas traz a história da empresária Erlete Beê, que atua como consulesa do clube há 25 anos. Em Avanti, sócios-torcedores palestrinos descrevem a emoção de participar das lives realizadas pela TV Palmeiras/FAM durante os jogos da equipe.

Nesta edição 57, você ainda confere uma entrevista exclusiva com o técnico Abel Ferreira e fica por dentro das reformas que deixaram a nossa sede social ainda mais confortável e moderna.

Para acessar a Revista Palmeiras, basta fazer o download do App Revista Palmeiras, manter o smartphone ou tablet na posição horizontal e clicar na imagem da capa. São textos, fotos, vídeos, áudios e animações que possibilitam ao usuário uma imersão completa no universo palmeirense.

Produzida desde 2014 e com periodicidade bimestral, a Revista Palmeiras é um benefício exclusivo dos sócios Avanti e associados do clube social. Porém, a fim de ajudar a minimizar os efeitos do distanciamento social e contribuir com a preservação do meio ambiente, a publicação oficial do Verdão está liberada para o público em geral por tempo limitado.

Revista Palmeiras – Edição 57 (12/01/2021)

+ fotos

Arqueiros do Palmeiras conquistam pódio no Campeonato Brasileiro Paraolímpico de Tiro com Arco

Departamento de Comunicação

Os atletas Heriberto Roca e Cecília lida participaram do 14° Campeonato Brasileiro Paraolímpico de Tiro com Arco entre os dias 2 e 6 de dezembro e conquistaram as medalhas de ouro e bronze, respectivamente, em competição realizada no Clube Kaikan, em Goiânia (GO).

Arqueiro palestrino também garantiu vaga no Parapanamericano da modalidade em 2021 (Foto: Divulgação)

Heriberto compete na categoria recurvo masculino (arco composto por lâmina, punho e corda) e conquistou a vaga para a finalíssima ao terminar a semifinal na terceira colocação com 518 pontos e um total de 72 flechas atiradas.

“Por conta da pandemia enfrentamos dificuldades e adaptações nos treinos e na vida. Precisei me reinventar e tirar forças para mostrar o meu melhor. Com muita garra e determinação nós chegamos lá. O campeonato foi incrível, seguimos todas as normas e tivemos excelentes disputas. Conseguir o meu primeiro título de campeão brasileiro de Tiro com Arco Paralímpico Outdoor (70m) tem um significado ainda mais especial e, com muita honra, vou dar o meu melhor para representar o Brasil nos Jogos Parapanamericanos”, ressalta Heriberto.

Na modalidade, o objetivo é acertar as flechas o mais próximo possível do centro do alvo. Na categoria de Heriberto, o alvo fica posicionado a 70m de distância e é formado por 10 círculos, sendo que o mais externo vale um ponto e o central, 10 tentos.

Já Cecília, faz parte da categoria composto feminino, onde o arco possui duas polias nas extremidades. Além disso, a atleta também utiliza uma mira com lente de aumento. Por conta dessas diferenças, a distância para a categoria é de 50 metros e o seu alvo é composto por cinco círculos, que fazem a pontuação variar de cinco a 10 pontos.

Cecília conquistou o bronze na primeira competição com a camisa alviverde (Foto: Divulgação)

Para a recém-contratada pelo Palmeiras, a medalha de bronze também tem um sabor especial. Retornando a competir após uma lesão no ombro, a atleta somou 551 pontos na semifinal e destacou a conquista em solo goiano.

“Foi um campeonato de muitas superações para mim. Fiquei um tempo sem treinar por conta da pandemia e, ao retornar em ritmo intenso, senti uma piora na lesão do ombro. Durante o campeonato acabei passando mal, mas, no penúltimo dia, garanti a medalha de bronze. Fiquei bastante satisfeita com o resultado geral e com as minhas pontuações. Quero aproveitar e agradecer imensamente o meu instrutor, Luiz Paulo (também diretor da modalidade), que me ajudou de forma física e emocional para atingir esse resultado”, destaca Cecília.

Após o Campeonato Brasileiro, os atletas palestrinos, que estão em busca de uma vaga nas Paralimpíadas de Tóquio 2020 (adiada para 2021) e chegaram ao clube no meio deste ano, também participaram da seletiva para o IV Parapanamericano de Tiro com Arco, que será disputado na cidade de Monterrey, no México, entre os dias 22 e 28 de março de 2021.

Na disputa, estiveram presentes os arqueiros que ficaram entre os seis primeiros colocados no Round Classificatório de cada categoria do torneio nacional. Heriberto terminou em primeiro lugar e garantiu vaga na competição, enquanto Cecília ficou na terceira colocação e se tornou a primeira reserva.

Palmeiras abre inscrições para seletiva de basquete das categorias de base em 2021

Departamento de Comunicação

O Palmeiras abriu na tarde desta quarta-feira (25) as inscrições para os atletas interessados em fazer parte das categorias de base do basquete alviverde. Para participar do processo, é necessário clicar aqui e preencher gratuitamente a ficha de inscrição.

A seletiva é destinada para os atletas das categorias Sub-11, Sub-12, Sub-13, Sub-14 e Sub-15 (nascidos entre os anos de 2002 e 2006). O preenchimento do formulário não é garantia de seleção do jogador. As datas, horários e locais serão informadas em breve pelo Departamento de Basquete do clube.

Atletas do Palmeiras se destacam na 2ª edição do Festival Acroline de Ginástica Acrobática

Departamento de Comunicação

A equipe de ginástica do Palmeiras participou neste sábado (21) da 2ª edição do Festival Acroline de Ginástica Acrobática e Adaptada Inclusiva. Em virtude da pandemia do novo coronavírus, a competição foi realizada de forma virtual e, mesmo com a novidade no formato das disputas, as atletas do Verdão conquistaram resultados expressivos.

Esse foi o segundo torneio online da equipe de ginástica acrobática em 2020 (Foto: Divulgação)

Organizado pela Liga Nacional de Esportes Gímnicos (LINEG), o evento contou com a participação de 12 clubes e 121 ginastas do Brasil e do México. Além disso, a atividade teve 118 séries apresentadas. Na primeira fase, 10 ginastas palestrinas se apresentaram em sequências individuais (níveis A, B e C) e em duplas (a partir de sete anos). Já na segunda etapa, oito atletas avançaram de acordo com a pontuação final.

Participaram da competição as academias e clubes: Gym Acro (MG), Assedec Ginástica, Akros Ginástica Acrobática (DF), Ale Hop Escola de Circo, Grupo Acrobático Juliu’s do Brasil, Secretaria de Esportes, Lazer e Atividades Motoras (Selam), Sky Gym (MEX), Time dos Sonhos (Maiara Priscilla) e Zhenya Gimnasia (MEX). O próximo compromisso da equipe de ginástica acrobática do Verdão acontece no dia 5 de dezembro, também de forma online.

Ginastas realizam treinamentos virtuais desde o mês de março (Foto: Divulgação)

Confira as colocações das atletas do Palmeiras na 2ª edição do Festival Acroline de Ginástica Acrobática:

Individual

Larissa Julião – 2° lugar
11 a 13 anos – Nível A

Laura Sirelli – 2° lugar
11 a 13 anos – Nível C

Manuela Pereira – 4° lugar
11 a 13 anos – Nível C

Lara Castilho – 5° lugar
11 a 13 anos – Nível C

Jadhy Souza – 6° lugar
11 a 13 anos – Nível B

Lívia Castilho – 7° lugar
11 a 13 anos – Nível B

Isadora Brandassi – 11° lugar
11 a 13 anos – Nível C

Pares

Manuela Pereira e Isadora Brandassi – 4° lugar
7 a 12 anos – Nível E

Lara Castilho e Jadhy Souza – 5° lugar
10 a 15 anos – Nível E

Laura Sirelli e Maria Fernanda Galiotte – 5° lugar
Acima de 12 anos – Nível E

Priscila Pedroso
Departamento de Comunicação

Texto originalmente publicado na edição 54 da Revista Palmeiras. Para acessar o conteúdo completo desta e de outras reportagens, baixe agora mesmo o App Revista Palmeiras na Play Store ou na Apple Store.

Valdir de Freitas conquistou 15 títulos em diferentes categorias pelo futsal do Palmeiras (Fabio Menotti/Palmeiras)

Falar do futsal do Palmeiras sem exaltar o trabalho de Valdir de Freitas, mais conhecido como Val, é uma missão impossível. Atual técnico das equipes Sub-16 e Sub-18, o profissional de 45 anos coleciona troféus desde a sua chegada ao clube, em 2013. Ao todo, são 15 títulos em diferentes categorias e torneios, entre eles o Campeonato Metropolitano, no qual o comandante contabiliza oito conquistas com o Verdão.

Ex-goleiro, Val nem sequer imaginava se tornar treinador quando pendurou as luvas, em 2008. Graduado em educação física, começou a dar aulas em um colégio de Guarulhos (SP), sua cidade natal. A pedido da diretora da escola, porém, o professor assumiu duas turmas de treinamento de futsal, cujas atividades estavam interrompidas.

“Acabamos conquistando campeonatos escolares e, por conta disso, um amigo me convidou para montarmos na cidade uma escolinha chamada Sai de Baixo”, recorda-se. “Lá, fizemos um bom trabalho e ganhamos algumas competições municipais. Em 2010, tive uma proposta para treinar o Sub-18 do A. D. ASA de Guarulhos e aceitei o desafio.”

O sucesso veio rapidamente. Em 2011, Valdir de Freitas levou o time guarulhense à inédita conquista do Campeonato Estadual – a decisão diante do Corinthians foi uma espécie de prévia dos muitos clássicos que o técnico teria pela frente no comando do Alviverde.

Um deles, em especial, marcou a carreira do treinador palestrino. Em 2018, a final do Metropolitano Sub-16 teve de ser disputada no mesmo fim de semana, em partidas de ida e volta. No sábado, o Palmeiras perdeu para o arquirrival por 3 a 0, resultado que o obrigava a vencer por quatro gols de diferença (ou mais) para erguer a taça. E foi o que aconteceu: no domingo, o Verdão goleou por 6 a 1 e assegurou o título.

“Os garotos tiveram uma performance fantástica, jogaram tudo o que podiam. Foi um momento inesquecível”, diz o técnico, que, naquela mesma temporada, ainda conduziu o clube à conquista do Estadual Sub-12, encerrando jejum de 22 anos do Alviverde na categoria. “Assumi interinamente por seis meses e fomos campeões invictos”, ressalta.

Formação de craques

De acordo com o multicampeão, o sucesso do futsal palmeirense se deve ao apoio da diretoria, à qualidade dos treinadores e profissionais do departamento e ao alto nível dos atletas, além da grandeza do Palmeiras.

“Muitos jovens sonham em vestir a nossa camisa, o que ajuda na captação de talentos”, explica Val, satisfeito com o trabalho de lapidar atletas. “Vencer é bom e não podemos fugir dessa responsabilidade, mas melhorar um jogador, fazendo-o evoluir em diferentes aspectos, é igualmente gratificante. Quase todos os atletas formados pelo Palmeiras são convidados a jogar por outros times. Isso me deixa orgulhoso.” 

Para Val, ver a evolução dos atletas é tão gratificante quanto conquistar títulos (Fabio Menotti/Palmeiras)

Ficha técnica

Nome: Valdir de Freitas
Data de nascimento: 26/10/1974
Local: Guarulhos/SP
Formação: Graduado em educação física e pós-graduado em futsal
Clubes: A. D. ASA e Sociedade Esportiva Palmeiras

Multicampeão
Veja todos os títulos conquistados pelo técnico com o Verdão:

Estadual Sub-12 (2018)
Metropolitano Sub-16 (2014, 2015, 2017, 2018 e 2019)
Estadual Sub-16 (2015, 2017, 2018 e 2019)
Metropolitano Sub-17 (2015 e 2016)
Estadual Sub-17 (2016)
Metropolitano Sub-18 (2017)
Taça Brasil Sub-11 (2019)

Cria do basquete alviverde, armador Caio Pacheco representa Brasil no Draft da NBA em 2020

Angelo Salvioni
Departamento de Comunicação

Acostumado a formar craques em diversas modalidades, o Palmeiras teve recentemente mais uma de suas revelações chamando a atenção do universo esportivo. No último domingo (26), Caio Pacheco, armador do Bahía Basket, da Argentina, e com passagens pelo basquete do Verdão nas categorias Sub-17 e Sub-19, foi inscrito no Draft da NBA neste ano, previsto para o dia 25 de junho, em Nova Iorque, nos Estados Unidos.

O atleta defendeu o Verdão na base por dois anos e teve destaque seu auge no clube durante a temporada de 2017 (Fabio Menotti)

Natural de Rio Claro-SP, o atleta de 21 anos e 1,88m de altura tem dado o que falar na Liga Argentina. Com média de 19,4 pontos (segunda maior do torneio) e 6,0 assistências (maior do torneio) em 21 jogos disputados na atual temporada (interrompida pela pandemia da COVID-19), Caio é o líder do time nos dois quesitos e tem como mentor Pepe Sanchez, campeão olímpico com a Argentina em 2004 e atual presidente do clube.

“O Palmeiras tem muita importância para mim. Joguei no clube por dois anos e tive a oportunidade de trabalhar com grandes profissionais e uma estrutura grandiosa. Não estava acostumado com isso no interior, mas foi muito bom a mim. Sou muito grato a todos àqueles que me ajudaram a crescer como pessoa e jogador”, declarou Caio.

Caio é o principal assistente da Liga Argentina (Bahía Basket/Divulgação)

Técnico do atleta na maior parte de sua passagem pelo Palmeiras, Felipe Santana, o Filé, já conhecia o garoto pelas grandes exibições em Rio Claro e Limeira antes de chegar ao clube para atuar na categoria Sub-17. Caio, inclusive, foi vice-campeão paulista Sub-17 e medalhista de bronze com o time Sub-19 no Torneio Aberto Adulto da FPB, em 2017.

“Percebemos que ele era um atleta com ‘alto QI de basquete’, com muita inteligência e personalidade. Trabalhamos bastante para ele atuar na posição 1 (armador), já que ele reúne características raras principalmente no basquete brasileiro. Sei que ajudamos bastante em seu processo de formação e não tínhamos dúvida de que ele estouraria em qualquer clube que estivesse. Vê-lo inscrito no Draft mostra o quão bom jogador ele vem se tornando”, exaltou Filé.

O amor pela bola laranja corre em suas veias desde cedo. O jogador é filho de Álvaro Pacheco, um dos maiores armadores da história do basquete do Palmeiras. O ex-atleta defendeu as cores do Verdão por quase 20 anos e se destacou entre os profissionais nos anos 90, ao lado de nomes como Patterson, Pipoka, entre outros.

“Eu me inspiro em diversos jogadores, mas o primeiro deles foi o meu pai, desde pequeno. Gosto muito do Facundo Campazzo (Real Madrid), Luka Dončić (Dallas Mavericks), Trae Young (Atlanta Hawks), Damian Lillard (Portland Trail Blazers)… estudo bastante e tento colher o melhor de cada um deles para incorporar ao meu estilo de jogo”, destacou o garoto, que atua na cidade de Manu Ginóbili, um dos maiores estrangeiros da história da NBA.

Álvaro (esq.), pai, e Caio (dir.), filho: geração de grandes basquetebolistas da família Pacheco (Montagem/Acervo Histórico/Fabio Menotti)

Há dois anos na Argentina, Caio defendeu o Verdão ao lado de outras crias palestrinas, como Yago Mateus (inscrito no Draft da NBA em 2019), Paulo Scheuer, Nicolas Ronsini, Daniel Haydin, Rafael Paulichi (companheiro de Bahía Basket), entre outros. No ano passado, o armador foi um dos destaques do bicampeonato sul-americano Sub-21 conquistado pela Seleção Brasileira.

“A evolução do Caio no basquete desde sua chegada ao Palmeiras é constante. Ele sempre treinou muito e buscava o melhor em todas as atividades. O Filé cobrava muito dele, insistia bastante principalmente nos fundamentos, e ele abraçou as orientações. Ele é muito querido por todos aqui até os dias de hoje e merece todo o sucesso que tem conquistado”, destacou Willians Manzini, coordenador técnico das categorias de base do basquete alviverde.

Palmeiras Sub-19 (2017). Em pé: Filé (treinador), Petrick Sato (fisioterapeuta), Enzo, Alex, Pedro, Guilherme, João Vitor, Rafael Paulichi e Rodrigo Leite (fisiologista); agachados: Daniel, Eduardo, Caio, Nicolas, Dalaqua, Jonas e Marcelinho (mordomo) (Fabio Menotti)

NBA já teve atletas com passagens pelo Palmeiras

Não é de hoje que o Palmeiras tem consolidada tradição na formação de grandes equipes de basquete e na revelação de jogadores. Oscar Schmidt, considerado por muitos o melhor brasileiro de todos os tempos na modalidade, iniciou sua carreira no clube e teve a oportunidade de atuar pelo New Jersey Nets (atual Brooklyn Nets) em 1984, mas recusou o convite para não ficar impedido de atuar pela Seleção Brasileira.

Albert de Witt, Randy Ayers, Dwaine Dillard, Pipoka, Patterson, Jefferson Sobral e Leandrinho Barbosa (campeão da NBA com o Golden State Warriors na temporada 2014-15) foram outros nomes que passaram pelo Verdão e tiveram contato com a principal liga de basquete do mundo. Já a lista recente de inscritos no Draft da NBA inclui os atletas Pedro Faria (2016) e Yago Mateus (2019), revelados na base palmeirense.

Oscar atuou nas categorias de base do Palmeiras durante a década de 70 (Divulgação)

Comunicado sobre funcionamento do clube social

Departamento de Comunicação

Seguindo o princípio de responsabilidade para com a sociedade, o Palmeiras informa que todas as dependências do clube social, incluindo áreas de lazer, alimentação e locais de aulas, treinos e jogos, não estarão funcionando por tempo indeterminado a partir deste sábado (14 de março).

Por recomendação do departamento médico alviverde e das autoridades de saúde municipal, estadual e federal, a medida visa combater a propagação do coronavírus e assegurar o bem-estar e a saúde de associados, atletas, funcionários e frequentadores.

Ressaltamos que não há nenhum caso identificado de COVID-19 no clube. Tratam-se, portanto, de ações preventivas.

Recomendamos seguir as orientações de cuidados do Ministério da Saúde. Evite locais de aglomeração e contato pessoal.

Comunicaremos periodicamente atualizações relativas a esse assunto.

Agradecemos a compreensão de todos.

Sociedade Esportiva Palmeiras

 

No retorno do técnico Adriano Geraldes, Verdão vence Corinthians no Estadual de Basquete Sub-17

Priscila Pedroso
Departamento de Comunicação

O Palmeiras venceu o Corinthians por 72 a 54 na noite da última quarta-feira (11), na casa do adversário, pela rodada de estreia do Campeonato Estadual de Basquete Sub-17. A partida marcou o retorno do técnico Adriano Geraldes ao comando da equipe palestrina.

Partida marca o retorno do técnico Adriano Geraldes ao comando da equipe palestrina com vitória (Foto: Michael Oliveira/Federados)

Na história recente do basquete palmeirense, o comandante conduziu o Sub-19 ao terceiro lugar da Liga de Desenvolvimento de Basquete (LDB) em 2018, além de conquistar o vice-campeonato paulista. O técnico ainda foi campeão brasileiro e estadual com o time Sub-16 do Verdão no mesmo ano.

Com esse incentivo e um elenco repleto de novos atletas, o Sub-17 do Palmeiras mostrou eficiência na defesa e foi superior no ataque conquistando ampla vantagem no placar. O cestinha da partida foi o atleta João Víctor Scopel com 18 pontos, seguido por Gustavo Santana e Gabriel Caldeira, ambos com 11 pontos. Recentemente, os dois primeiros representaram o clube em um tradicional evento do NBB, em São Paulo.

Equipe palestrina mostra eficiência na defesa e conquista excelente placar (Foto: Michael Oliveira/Federados)

A equipe Sub-17 alviverde retorna às quadras no próximo sábado (14) contra o time de Bauru, às 17h, no Ginásio da Instituição Toledo de Ensino – ITE, em Bauru-SP. Já o próximo confronto no Palestra Italia acontece apenas no dia 25 de março, às 17h, contra o Esperia.

De acordo com a orientação da FIBA (Federação Internacional de Basquete), da ConsuBasquet (Confederação Sul-Americana de Basquetebol) e da CBB (Confederação Brasileira de Basketball), a Federação Paulista de Basketball está suspendendo os campeonatos de todas as categorias, de 13 a 19 de março, em razão da pandemia do COVID-19.

Patinação do Verdão conquista 17 medalhas nos campeonatos Paulista e Estadual

Priscila Pedroso
Departamento de Comunicação

No primeiro torneio do ano, a equipe de patinação do Palmeiras fez bonito e conquistou 17 medalhas nos campeonatos Paulista e Estadual, disputados entre os dias 05 e 08 de março, no Clube Internacional de Regatas, em Santos-SP. No total, foram obtidos três ouros, sete pratas e dois bronzes, além de prêmios recebidos pelas quartas e quintas colocações.

Equipe se destacou na primeira competição de 2020 e se prepara para o Campeonato Brasileiro de Patinação (Foto: Divulgação)

Sob o comando dos treinadores Gabrielle Escudero e Felipe Cavalcanti, novo comandante e atleta com passagens pela Seleção Brasileira, e com auxílio técnico de Ana Beatriz Martins, o Verdão foi representado por 20 atletas. A maioria dos competidores treina há cerca de um ano na equipe alviverde e mostra bastante talento nos rinques.

Os patinadores que representaram o Verdão nos torneios foram Felipe Cavalcanti, Giulia Pasquarelli, Julia Kanecadan, Beatriz Marchioreto, Lara Sybine, Anita Tabourin, Julia Marinho, Julia Sadu, Lorena Noronha, Sofia Leizer, Julia Miranda, Isabella Rosa, Beatriz Nastri, Gabriela Pirillo, Maria Fernanda Diaz, Amanda Ricciotti, Giulia Haddad e Camila Martins.

O próximo compromisso do grupo será o Campeonato Brasileiro de Patinação, realizado entre os dias 26 de março e 05 de abril, em Joinville-SC.

Confira o desempenho do Palmeiras na competição:

CAMPEONATO PAULISTA

Brasileiro Figuras Obrigatória – Cadete
7º lugar – Giulia Pasquarelli

Brasileiro – Livre – Cadete
5º lugar – Giulia Pasquarelli

Brasileiro – Solo Dance – Cadete
5º lugar – Giulia Pasquarelli

Brasileiro – Solo Dance – Cadete – Masculino
1º lugar – Felipe Cavalcanti

CAMPEONATO ESTADUAL 

Figuras Iniciantes 11 anos
7º lugar – Julia Hydalgo

Figuras Obrigatórias iniciantes 13 anos
2º lugar – Julia Kanecadan
8º lugar – Beatriz Marchioreto
9º lugar – Iara Sybine
10º lugar – Anita Tabourin
12º lugar – Julia Marinho
13º lugar – Julia Sadu
18º lugar – Lorena Noronha
19º lugar – Sofia Leizer
20º lugar – Julia Miranda

Figuras Obrigatórias iniciantes 15 anos
11º lugar – Isabella Rosa
15º lugar – Beatriz Nastri

Figuras Iniciantes 17 anos 
2º lugar – Gabriela Pirillo

Figuras Avançados – até 11 anos
4º lugar – Manuela de Campos Moraes

Figuras Obrigatórias Adulto Nível 1
4º lugar – Amanda Ricciotti

Figuras Obrigatórias Adulto Nível 2
3º lugar – Maria Fernanda Diaz

Livre Nível 1 – até 14 anos
9º lugar – Lara Sybine

Livre Nível 1 – 15 anos
4º lugar – Amanda Ricciotti

Livre Nível 2 
4º lugar – Maria Fernanda Diaz

Livre Nível 3
1º lugar – Giulia Haddad

Solo Dance Iniciante 13 anos
4º lugar – Julia Marinho
5º lugar – Julia Kanecadan
7º lugar – Beatriz Marchioreto
9º lugar – Anita Tabourin
12º lugar – Lara Sybine

Solo Dance inicinte – até 17 anos
2º lugar – Gabriela Pirillo

Solo Dance inciante – até 15 anos
10º lugar – Isabella Rosa

Solo Dance Avançado – até 15 anos
2º lugar – Giulia Pasquarelli

Solo Dance Avançado Aberto
2º lugar – Camila Martins
4º lugar – Maria Fernanda Diaz

Solo Dance Avançado Adulto Silver
2º lugar – Amanda Ricciotti

Solo Dance Pré-internacional Sênior – a partir de 13 anos 
3º lugar- Maria Fernanda Diaz

Free Dance – até 13 anos
4º lugar – Julia Kanecadan
6º lugar – Julia Marinho
7º lugar – Anita Tabourin
8º lugar – Beatriz Marchioreto

Free Dance – até 17 anos
2º lugar – Gabriela Pirillo

Free Dance – a partir de 18 anos 
1º lugar – Maria Dernanda Diaz
5º lugar – Amanda Ricciotti

Verdão vence Inter de Regatas em todas as categorias da GSP, e Sub-16 bate São Paulo pelo Estadual

Priscila Pedroso
Departamento de Comunicação

O Palmeiras começou bem e venceu todos os jogos que disputou na primeira rodada dos campeonatos Metropolitano (GSP) e Estadual. Na última sexta-feira (06), no jogo que marcou a estreia da equipe alviverde, o Sub-16 levou a melhor contra o São Paulo e ganhou pelo placar de 74 a 65, no Ginásio do Morumbi.

Sub-15 abriu grande vantagem ao vencer o Inter de Regatas por 82 a 42 (Foto: Caio Carlucci)

No sábado (07) foi a vez das categorias Sub-12 e Sub-13, do técnico Gustavo Rocha, mostrarem técnica e entrosamento nos dois triunfos conquistados contra o Inter de Regatas com parciais de 57 a 28 e 98 a 39, respectivamente, no Ginásio do Palestra Italia.

Para encerrar a primeira rodada, as equipes Sub-14 e Sub-15 entraram novamente em quadra para enfrentar o Inter de Regatas no domingo (08) e ganharam os seus compromissos por 90 a 51 e 82 x 42, nesta ordem, e confirmaram os 100% de aproveitamento do Verdão nos torneios.

Confira os resultados do Palmeiras na primeira rodada dos Campeonatos Metropolitano e Estadual:

Sub-16
06/03 – São Paulo 65 x 74 Palmeiras – Ginásio do Morumbi

Sub-15
08/03 – 11h: Palmeiras 82 x 42 Inter de Regatas – Ginásio do Palestra Italia

Sub-14
08/03 – 9h: Palmeiras 90 x 51 Inter de Regatas – Ginásio do Palestra Italia

Sub-13
07/03 – 11h: Palmeiras 98 x 39 Inter de Regatas – Ginásio do Palestra Italia

Sub-12
07/03 – 9h: Palmeiras 57 x 28 Inter de Regatas – Ginásio do Palestra Italia

Veja os dias e horários dos próximos jogos do Palmeiras:

Sub-16
14/03 – 15h – Bauru x Palmeiras – Ginásio da ITE
Estadual de Basquete

Sub-15
21/03 – 15h – Círculo Militar x Palmeiras – Círculo Militar de SP
Metropolitano (GSP) de Basquete

Sub-14
16/03 – 19h – Paineiras x Palmeiras – Clube Paineiras do Morumby
Metropolitano (GSP) de Basquete

Sub-13
15/03 – 11h – Palmeiras x Esperia – Ginásio Palestra Italia
Metropolitano (GSP) de Basquete

Sub-12
15/03 – 9h – Palmeiras x Esperia- Clube Paineiras do Morumby
Metropolitano (GSP) de Basquete

Atleta mirim do Palmeiras é campeão da 2ª etapa da Liga Nipo Brasileira de Tênis de Mesa

Departamento de Comunicação

O atleta Matheus Tambellini se sagrou campeão da 2ª etapa da Liga Nipo Brasileira de Tênis de Mesa na categoria Pré Mirim Masculino B, em torneio realizado no dia 8 de março, no Coopercotia Atlético Clube, em Cotia-SP.

No total, o mesatenista disputou seis jogos e saiu vencedor de todas as disputas. Logo no jogo de estreia, Tambellini venceu o adversário Theo Oliveira, do ACENJ Tênis de Mesa, pelo placar de 3 a 0. Já na partida final, o palmeirense repetiu o resultado, desta vez contra Enzo Marques, do clube Saldanha da Gama.

Palestrino venceu todas as seis disputas que participou (Foto: Divulgação)

O Palmeiras também esteve representado por outros nove atletas e conquistou outros dois resultados importantes na competição, foram eles, o 5º lugar na categoria Adulto C com o mesatenista Leonardo Costa e 5º lugar na categoria Pré Senior A com o atleta Eduardo Duclos.

Matheus Tambellini com a medalha de ouro do torneio da Liga Nipo Brasileira (Foto: Divulgação)

Confira os resultados do campeão Matheus Tambellini:

Jogo 1 – 3 x 0 – Theo Oliveira (adversário) – ACENJ (clube)
Jogo 2 – 3 x 1 – Luis Claudio Moreira (adversário) – Saldanha da Gama (clube)
Oitavas de final – 3 x 1 – Lucas Satoshi Sasaki (adversário) – ACREPA (clube)
Quartas de final – 3 x 2 – Pedro Augusto Vieira (adversário) – ACREPA (clube)
Semifinal – 3 x 0 – Yuuichi Hirose (adversário) – ACENBO (clube)
Final – 3 x 0 – Enzo Marques (adversário) – Saldanha da Gama (clube)

Sub-16 do basquete inicia temporada com Choque-Rei no Campeonato Estadual

Priscila Pedroso
Departamento de Comunicação

Os times de basquete do Verdão estão de volta às competições após intenso período de treinamentos. A primeira categoria a entrar em quadra será o Sub-16, que encara o São Paulo nesta sexta-feira (06), às 19h30, pelo Campeonato Estadual, no Ginásio do Morumbi.

Equipe bicampeã brasileira vai em busca da primeira vitória na temporada de 2020 (Foto: Simone Costa)

A equipe, que se sagrou bicampeã brasileira em 2019 sob o comando do técnico Rafael Martins, o Toca, vai encarar as equipes do Paulistano, Centro Olímpico, Esperia, Pinheiros, São Paulo, Corinthians, Limeira, Alphaville TC, Inter de Regatas, São José, Girafinhas do Basquete, Santo André, Cravinhos, Sesi, Bauru, Campinas e Instituto Superação.

Além do Sub-16, as categorias Sub-12 e Sub-13, do comandante Gustavo Rocha, o Sub-14, do técnico Toca e o Sub-15, do técnico e coordenador da modalidade Willians Manzini, também disputam a primeira partida neste final de semana, a partir das 9h, no Ginásio do Palestra Italia. A entrada será gratuita para associados e convidados.

Do Sub-12 ao Sub-15, o Verdão disputa anualmente o Campeonato da Grande São Paulo (G.S.P.) e, em caso de título ou vice da Série Ouro do torneio, joga o Campeonato Estadual contra as duas melhores equipes do interior. Já as categorias Sub-16, Sub-17 e Sub-19 disputam o Campeonato Paulista e, eventualmente, competições nacionais e de pré-temporada.

Confira os dias e horários dos próximos jogos do Palmeiras:

Sub-16
06/03 – 19h30: São Paulo x Palmeiras – Ginásio do Morumbi

Sub-15
08/03 – 11h: Palmeiras x Inter de Regatas – Ginásio do Palestra Italia

Sub-14
08/03 – 9h: Palmeiras x Inter de Regatas – Ginásio do Palestra Italia

Sub-13
07/03 – 11h: Palmeiras x Inter de Regatas – Ginásio do Palestra Italia

Sub-12
07/03 – 9h: Palmeiras x Inter de Regatas – Ginásio do Palestra Italia

Verdão bate Corinthians e estreia com vitória no Campeonato Paulista de Futebol de Mesa

Priscila Pedroso
Departamento de Comunicação

Os botonistas do Verdão começaram bem no Campeonato Paulista por Equipes de Futebol de Mesa. Os atletas venceram o Corinthians no último domingo (16) pelo placar de 40 a 32 (parciais de 5×7, 8×4, 5×7, 5×7, 9×3 e 8×4), na Sala de Futebol de Mesa, no clube social.

Equipe do Verdão se prepara para novo clássico, desta vez, contra o São Paulo (Foto: Divulgação)

A equipe alviverde foi representada pelos jogadores Jefferson (12 pontos), Hylson (8), Diney (6), Michilin (5), Perrotti (5), Vanno (2), Alex Bahr (2) e Melli (0). Os botonistas enfrentaram os adversários em seis rodadas, sendo que cada vitória contabilizou dois pontos e o empate somou um tento.

O Palmeiras retorna para a disputa do torneio no dia 29 de março, às 9h30, contra o São Paulo, também na sede social.

Confira as próximas partidas da equipe principal:

16/02 – 9h30 – Palmeiras 40 x 32 Corinthians
29/03 – 9h30 – Palmeiras x São Paulo FC
26/04 – 10h – Flamengo FC x Palmeiras
31/05 – 10h – XV de Agosto x Palmeiras
28/06 – 09h30 – Palmeiras x Meninos FC
19/07 – 09h30 – Círculo Militar x Palmeiras

Jogadores do Palmeiras são convocados para evento do NBB em São Paulo

Priscila Pedroso
Departamento de Comunicação

O ala João Victor Scopel e o ala-pivô Gustavo Henrique Santana, do basquete Sub-17, foram convocados para participar do 2° Nike Elite NBB Camp, evento que busca desenvolver a modalidade por meio de uma clínica que será realizada entre os dias 17 e 21 de fevereiro, no Parque São Jorge, sede do Corinthians, em São Paulo-SP.

Essa é a segunda vez que atletas do Palmeiras são convidados para o evento (Foto: Michael Oliveira)

Os atletas, que são destaques do basquete alviverde, foram selecionados por meio da indicação de dez treinadores de diversos clubes paulistas que atuam na categoria. Além deles, outros 25 jogadores também foram convidados para a atividade.

Com o apoio da Liga Nacional de Basquete (LNB), o acampamento vai contar com uma série de atividades, como treinamentos específicos para ampliar os níveis técnicos e táticos dos atletas e apresentações sobre desenvolvimento de carreira, ética de trabalho, liderança e trabalho em equipe. Na primeira edição do evento, em 2017, outro atleta do Palmeiras foi convidado: o armador Yago Matheus, revelado pelo Palmeiras e hoje atleta do C.A. Paulistano.

Botonistas do Verdão vencem amistoso contra o Botafogo-RJ no clube social

Priscila Pedroso
Departamento de Comunicação

Os botonistas do Palmeiras venceram o Botafogo-RJ em amistoso realizado no último sábado (8), na sede social do Verdão. Com o placar de 44 a 29, os atletas alviverdes deram continuidade na preparação para o Campeonato Paulista por Equipes de Futebol de Mesa.

O Verdão foi representado pelos atletas Diney (12 pontos), Hylson (9), Alex Bahr (9), Michilin (6), Jefferson (4), Melli (3), Franklin (1), Perotti (0) e Gui (0). Já o Botafogo contou com a participação de Alessandro (12 pontos), Ramos (6), Rogério (6), Jones (3), Batalha (1), Amon Ra (1) e Elinto (0).

Verdão fez último amistoso antes de estrear no Campeonato Paulista por Equipes de Futebol de Mesa (Foto: Simone Costa)

A estreia do Palmeiras no Campeonato Paulista por Equipes já tem data marcada. A equipe de aspirantes enfrenta o Cisplatina no próximo sábado (15), enquanto o time principal mede forças contra o Corinthians no domingo (16), ambos na Sala de Futebol de Mesa do clube social.

“Estamos com um grupo de jogadores muito bons e experientes. A nossa expectativa é pela disputa do título na categoria principal, já que conquistamos o campeonato em 2018”, destaca Michilin.

Pratique futebol de mesa no Palmeiras

O clube disponibiliza escolinha de futebol de mesa para associados de todas as idades interessados em aprender a modalidade. As aulas acontecem às terças-feiras, a partir das 19h30, e aos sábados, a partir das 9h. Clique aqui para acessar a página voltada aos sócios no site oficial e confira a programação completa de atividades na sede social.

Palmeiras recebe encontro anual de Karate no clube social

Simone Costa
Departamento de Comunicação

O Palmeiras sediou no último final de semana (8 e 9 de fevereiro) um treino especial de karate, o Gashuko Nacional Wado Ryu Karatê, em parceria com a Wado-Ryu Karatê-Do Renmei do Brasil, no dojo da sede social.

Evento contou com a participação do Sensei Koji Takamatsu (centro), responsável por trazer a arte marcial para o Brasil (Foto: Simone Costa/Palmeiras)

O evento, que promove a troca de experiências e conhecimentos entre os caratecas, contou com a presença de atletas vinculados à entidade. No total, 58 participantes marcaram presença no encontro, que reuniu atletas de São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Mato Grosso.

Também esteve presente no evento o Presidente da Organização Wado Ryu Karatê Do e faixa preta (9° Dan), o Sensei Koji Takamatsu, que foi responsável por introduzir a arte marcial em solo brasileiro e entregou o certificado de participação aos atletas.

“Agradeço muito ao Palmeiras, que sempre nos apoia cedendo suas dependências para que o evento possa acontecer”, destacou Sérgio Takamatsu, diretor técnico da FPK.

Clique aqui e confira a galeria de imagens.

Pratique karate no Verdão

O Palmeiras promove aulas de karate para iniciantes, intermediários e avançados aos associados do clube, com turmas de terça, quinta e sábado, nos horários da manhã, tarde e noite, com os professores Jair Pedro, Francisco e Vinicius (clique aqui e confira a programação completa de atividades). Para maiores informações, compareça à Coordenadoria, no 1º andar do Prédio Multiuso da sede social.

Mesatenistas do Verdão iniciam temporada com pódios na Liga Nipo-Brasileira

Priscila Pedroso
Departamento de Comunicação

Os atletas do tênis de mesa do Palmeiras iniciaram 2020 com conquistas na Liga Nipo Brasileira de Tênis de Mesa no último domingo (9), no Ginásio Poliesportivo Adib Moyses Dib, em São Bernardo do Campo-SP.

Torneio contou com a participação de 11 atletas do Verdão divididos em 10 categorias diferentes (Foto: Divulgação)

A equipe contou com a participação de 11 atletas divididos em 10 categorias diferentes. Na categoria Pré Mirim B, Matheus Tambellini conquistou o sexto lugar. Já na classe Adulto Masculino C, o atleta Leonardo Costa subiu ao pódio na quarta colocação.

Pratique tênis de mesa no Palmeiras

A sala do tênis de mesa do Palmeiras, no segundo andar do Prédio Multiuso, é aberta a todos os associados interessados em praticar a modalidade. O departamento funciona de terças a sextas, das 17h às 21h30, e aos sábados, das 14h às 18h. A equipe palmeirense é treinada pelo professor Alexandre Cavalheiro e tem a supervisão dos multicampeões Biriba e Hugo Hoyama.

Atletas paralímpicos do Verdão são medalhistas do German Open de Judô

Priscila Pedroso
Departamento de Comunicação

Os judocas Alana Maldonado e Thiego Marques se destacaram em mais uma competição internacional com a Seleção Brasileira de judô paralímpico e garantiram no último sábado (8) as medalhas de ouro e bronze, respectivamente, no German Open, em Heidelberg, na Alemanha.

Atletas do Verdão se preparam para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 (Foto: CBDV)

No primeiro torneio depois de se recuperar de uma lesão no joelho, Alana ficou no lugar mais alto do pódio na categoria até 70kg após vencer as cinco lutas que disputou. A atleta se sagrou tricampeã da competição (2016, 2017 e 2020).

Thiego conquistou a segunda medalha de bronze no ano na categoria até 60kg. O judoca alviverde também ficou com o terceiro lugar no Judo Americas Championship, torneio considerado o Pan-Americano da modalidade, em Montreal, no Canadá.

O Aberto da Alemanha não conta pontos para o ranking mundial, mas faz parte de mais uma etapa de preparação dos atletas rumo aos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020. Agora, a delegação brasileira está período de treinamento em Madri, na Espanha.

Palmeiras Locomotives promove seletiva para recrutar novos atletas de futebol americano

Departamento de Comunicação

O Palmeiras Locomotives, time de futebol americano do Verdão, vai realizar no próximo sábado (8), às 14h, a primeira seletiva do ano para recrutar novos atletas da modalidade, no Centro Esportivo Tietê, em São Paulo-SP.

Com inscrições gratuitas e destinada para jogadores com idade a partir de 16 anos com ou sem experiência, a avaliação será dividida nas modalidades flag feminino, flag masculino e equipado masculino. Para participar da peneira, basta clicar aqui e preencher o formulário.

A seletiva será acompanhada pelos atletas e pela comissão técnica do Palmeiras Locomotives. A recomendação aos participantes da peneira é a utilização de roupas leves (short e camiseta) e chuteira society ou tênis – é proibido o uso de chuteiras com travas/cravos. Alimente-se levemente, traga sua garrafa de água e participe!

Informações:
Centro Esportivo Tietê
Endereço: Av. Santos Dumont, 843 – Luz, São Paulo – SP
Dúvidas: Envie a sua pergunta pela página do time no Facebook ou entre em contato pelo e-mail [email protected]

Palmeiras realiza peneira de judô para selecionar novos atletas de competição

Departamento de Comunicação

O Palmeiras vai realizar no mês de fevereiro uma seletiva de judô para captar novos atletas para as equipes de competição, no 2° andar do Prédio Multiuso do clube social. A avaliação é destinada para homens e mulheres, podendo ou não serem associados da sede social.

Para participar da peneira, que atende as categorias Sub-11, Sub-13, Sub-15, Sub-18 e Sub-21, basta encaminhar um e-mail para [email protected] até o dia 31 de janeiro com o nome completo, RG, data de nascimento e telefone do atleta.

No dia da avaliação, os judocas menores de idade devem estar acompanhados de um responsável maior de 18 anos. Os dados do acompanhante também devem ser enviados no ato da inscrição por e-mail.

Informações:

04 a 06/02
Sub-11, Sub-13 e Sub-15 – 18h às 19h15
Sub-18 e Sub-21 – 19h30 às 21h

10 e 11/02
Sub-11, Sub-13 e Sub-15 – 18h às 19h15
Sub-18 e Sub-21 – 19h30 às 21h

Local: Clube Social (2° andar do Prédio Multiuso)

Endereço: Avenida Francisco Matarazzo, 1705 (Portaria ao lado do Shopping Bourbon) – Perdizes – São Paulo/SP.

Futsal do Palmeiras comemora 50 anos do título da Taça Brasil

Fernando Galuppo
Fernão Ketelhuth
Departamento de Comunicação

Há 50 anos, o futsal do Palmeiras alcançou a maior conquista nacional de sua história. No dia 18 de janeiro de 1970, o Verdão derrotou o América-RN por 4 a 1 e garantiu o título da Taça Brasil de Futebol de Salão, como o esporte se chamava naquela época. Na caminhada rumo ao troféu, a equipe comandada pelo técnico José Marcos Barbosa teve de encarar uma maratona de sete jogos em oito dias, com seis vitórias e um empate. 

O campeões da Taça Brasil de 1970. Em pé: José Marcos Barbosa (técnico), Feitiço, Nilson Ribeiro Guedes (auxiliar técnico), Aécio, Carlinhos, jogador não identificado, André Brancacci, Robson Rosa e Miguel Masi (diretor); agachados: Serginho, Adílson, Nelson, Gugu, Pinga-Fogo, Sorage e Pipa

“Foi uma grande conquista. Nosso time era praticamente imbatível”, recorda-se o ex-ala Serginho, considerado o melhor jogador da modalidade no país durante as décadas de 1960 e 1970.

Realizada no Ginásio Palácio dos Esportes, em Natal (RN), a competição contou com a participação de dez clubes campeões estaduais. As equipes foram divididas em três grupos e as melhores de cada chave avançaram ao hexagonal decisivo, para o qual o América-RN, como representante do Rio Grande do Norte, já estava classificado de forma antecipada. 

Na primeira fase, o Alviverde bateu Banespa-PI (8 a 1) e Universitário de Brasília-DF (4 a 2). Já no hexagonal, além do triunfo sobre os donos da casa, venceu o Náutico-PE (4 a 2), empatou com o Itapegipe-BA (2 a 2), e superou Sergipe-SE (3 a 2) e Universitário de Brasília-DF (3 a 1).

Lenda do futsal, Serginho tem 75 anos e vive no Rio

O time palestrino disputou o campeonato com a faca nos dentes. Afinal, na primeira edição da Taça Brasil, disputada na cidade de Lages (SC) em 1968, o Palmeiras se sagrou campeão, mas teve o título cassado na Justiça por causa de uma suposta irregularidade na inscrição do pivô Aécio.

“Foi um protesto movido pelo Carioca da Gávea, time que havíamos derrotado na final. Não tinha nada de errado com a inscrição do Aécio, tanto que ele participou normalmente de todo o campeonato. Ganhamos aquele título dentro da quadra, por isso eu me considero bicampeão nacional pelo Palmeiras”, afirma Serginho, de 75 anos.

O ala foi eleito craque da Taça Brasil de 1970 e fez parte da seleção do torneio, ao lado dos também palmeirenses Pipa (goleiro), Gugu (fixo) e Adílson (pivô). Irmão de Serginho, Adílson marcou 11 gols, dois deles contra o América-RN, e garantiu a artilharia do campeonato.

Uma gafe marcou a cerimônia de premiação. Convicta de que a equipe da casa ganharia o título, a organização produziu todas as faixas de campeão com o distintivo do América-RN.

“A pressão era muito grande. Todos imaginavam que o título ficaria em Natal, mas tínhamos um timaço. Não nos intimidamos com o ginásio lotado e demos a resposta na bola”, rememora Serginho, que tinha também o apelido de Tripa, por ser muito magro.

Os campeões

José Marcos Barbosa (técnico)

O técnico José Marcos Barbosa recebe a faixa de campeão

Assumiu o futsal do Palmeiras em 1970 e, no ano seguinte, foi convidado a comandar a Seleção Brasileira no Sul-Americano da modalidade. Conquistou vários títulos pelo Verdão e por outras agremiações.

Pipa (goleiro)

Com passagens por Palmeiras, Banespa e Paulistano, foi um dos maiores jogadores da história em sua posição.

Robson Rosa (goleiro)

Formado na base alviverde, era o reserva imediato de Pipa. Disputou uma partida na Taça Brasil.

Pinga-Fogo (pivô)

Craque e referência na modalidade, atuou também pelo Banespa. Seu pai, João Vendrame, foi atleta de basquete do Palmeiras nos anos 1940.

Gugu (fixo)

Irmão de Pinga-Fogo, foi eleito o melhor defensor do torneio.

Aécio (pivô)

Um dos principais atletas de futebol de salão na década de 1970, começou no Vila Isabel-RJ, assim como Serginho e Adílson.

Sorage (ala)

Defendeu o Palmeiras de 1965 a 1980, passando por todas as categorias. Nenhum outro jogador militou por tanto tempo no futsal alviverde. Foi também técnico do Verdão.

O Alviverde era a base da Seleção Brasileira na época. Em pé: Serginho, Pipa e Carlinhos; agachados: Pinga-Fogo e Sorage

Serginho (ala)

Chamado de Pelé do Futebol de Salão, atuou pelo clube de 1967 a 1972. Sua transferência do Vila Isabel para o Alviverde foi a primeira negociação interestadual de um jogador na história da modalidade.

Adílson (pivô)

Irmão de Serginho, foi o artilheiro da Taça Brasil de 1970, mesmo começando a competição na reserva. 

Feitiço (fixo)

Parente de Feitiço, artilheiro de Palmeiras e Santos no futebol de campo durante a década de 1930, brilhou na quadra com a camisa 3 do Verdão.

André Brancacci (pivô)

Atleta da equipe juvenil, viajou com a delegação para compor o elenco. Participou de uma partida.

Carlinhos (ala)

Antes do Palmeiras, destacou-se no Bangu de Santana. Foi utilizado nos jogos da primeira fase.

Resultados

Primeira fase

11/1 – Palmeiras 8 x 1 Banespa-PI
Gols do Palmeiras: Aécio (dois), Serginho (dois), Pinga-Fogo (dois) e Adilson (dois)

13/1 – Palmeiras 4 x 2 Clube Universitário de Brasília-DF
Gols do Palmeiras: Adilson (quatro)

14/1 – Palmeiras 4 x 2 Náutico-PE
Gols do Palmeiras: Pinga-Fogo (dois), Aécio e Serginho

15/1 – Palmeiras 2 x 2 Itapegipe-BA
Gols do Palmeiras: Aécio e Pinga-Fogo

16/1 – Palmeiras 3 x 2 Sergipe-SE
Gols do Palmeiras: Serginho (dois) e Adílson

17/1 – Palmeiras 3 x 1 Clube Universitário de Brasília-DF
Gols do Palmeiras: Adílson (dois) e Serginho

18/1 – Palmeiras 4 x 1 América-RN
Gols do Palmeiras: Adílson (dois), Serginho e Pinga-Fogo

Divulgação

Priscila Pedroso
Departamento de Comunicação

O botonista palmeirense Alex Bahr conquistou no último sábado (11) a 10ª Copa José Pinto de Futebol de Mesa, disputada em Botucatu, no interior de São Paulo. Essa é a segunda vez que o atleta do Verdão vence o torneio – ele já havia comemorado o título em 2016.

Divulgação

Na disputa do campeonato que abriu a temporada, o palestrino, que retornou ao time esse ano, garantiu o título ao superar o atleta Ton Armani, do Corinthians, por 9 a 5. O pódio foi completado pelos jogadores Luiz Venanzi (Bauru) e Capitelli (São José do Rio Pardo).

Os participantes foram divididos em quatro grupos com cinco integrantes, sendo que os quatro primeiros se classificaram para a disputa da Série Ouro e Prata, já os quintos colocados de cada grupo jogaram a Série Bronze.

O primeiro campeonato oficial do Verdão em 2020 será o Torneio Início por Equipes (oito jogadores para cada time) no dia 1° de fevereiro, em São Paulo. O Palmeiras é o atual campeão da competição.

Divulgação

Thiego Marques conquista bronze em torneio de judô paralímpico no Canadá

O judoca paralímpico Thiego Marques conquistou no último domingo (12) a medalha de bronze no Judo Americas Championship, torneio considerado o Pan-Americano da modalidade, realizado em Montreal, no Canadá.

Divulgação _ Thiego (primeiro da direita para a esquerda) é um dos brasileiros cotados aos Jogos Paralímpicos de Tóquio

O atleta palestrino, que compete na categoria dos pesos ligeiros masculinos (até 60kg), venceu duas das três lutas que disputou durante o torneio que inaugurou as competições oficiais da categoria na temporada 2020.

Para o judoca, esse foi mais um torneio importante na carreira. “Foi uma experiência muito boa, todos os adversários foram difíceis e tive a oportunidade de conhecer outros oponentes que estarão nos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020”, destaca.

No total, o Brasil contou com 12 atletas na delegação e encerrou a competição com nove medalhas. A também judoca do Verdão, Alana Maldonado, foi convocada para o torneio, mas não pôde participar por conta do tratamento de uma lesão no joelho.

O próximo compromisso de Thiego será o German Open, disputado no mês de fevereiro, na Alemanha. O atleta ainda vai competir na Inglaterra, Japão e Cazaquistão antes dos Jogos Paralímpicos.

Uma das décadas mais vitoriosas dos esportes do Palmeiras se encerra em 2019 com hegemonias, conquistas e feitos históricos em diversas modalidades. No ano que antecede a disputa dos Jogos Olímpicos de Tóquio, no Japão, o Verdão mostrou que pode ter atletas de alto rendimento no principal evento esportivo do mundo.

Divulgação _ O boxe do Palmeiras faturou medalhas no Campeonato Brasileiro Juvenil e de Elite

Nos Jogos Pan e Parapan-Americanos de Lima, no Peru, o esporte alviverde contou com alguns representantes. Entre eles, Cosme Nascimento, um dos principais pugilistas super pesados (acima de 91kg) do país e integrante da Seleção Brasileira. O boxe palestrino, inclusive, fez bonito no ano principalmente com o time juvenil, campeão paulista e da Copa Talento Open.

Já no judô, o Verdão teve no torneio esportivo continental a presença de Alana Maldonado, vice-campeã do Parapan e melhor paratleta do mundo na categoria até 70kg feminina, e Thiego Marques, premiado na competição pela primeira vez na carreira ao faturar o bronze. Alana, por sua vez, conquistou seis medalhas em 2019, sendo três de ouro e três de prata.

Ale Cabral/CPB _ Alana faturou o troféu 'Atleta da Galera' no Prêmio Paralímpicos 2019

As conquistas das artes marciais alviverdes não pararam por aí. No karate, além de receber treinos do Projeto Olímpico da FPK no clube, o Verdão obteve títulos individuais no Brasileiro e no Paulista Open – todos na categoria Master, além de um ouro na etapa paulista dos Jogos Universitários Brasileiros.

Nos esportes de quadra, hegemonias foram prolongadas. No futsal, por exemplo, o time Sub-16 se sagrou tricampeão metropolitano e estadual sob o comando do vitorioso técnico Valdir de Freitas, o Val. Ele, inclusive, esteve também à frente da equipe campeã inédita da Taça Brasil de Clubes Sub-11. Outro título inédito para o futsal alviverde em 2019 veio diante do maior rival no Torneio União de Clubes com a treinadora multicampeã Fernanda Grande.

Priscila Pedroso/Palmeiras _ O time Sub-16 de futsal do Verdão faturou seis títulos nos últimos três anos

No basquete, além de subir ao pódio em pelo menos uma categoria no ano, o Verdão faturou o bicampeonato da Copa Brasil de Clubes Sub-16, além de vencer a Copa Sul-Americana com as equipes Sub-12 e Sub-15. O clube também teve representantes com participação direta na campanha da Seleção Brasileira Sub-17 campeã continental.

As conquistas no hóquei in line palmeirense vieram tanto na base quanto na equipe principal. Ao todo, foram três títulos: Campeonato Brasileiro Sub-10, Tour Cup Brasil Sub-14 e Torneio Nacional Adulto. O Verdão, inclusive, teve atletas entre os destaques da Seleção Brasileira que disputou o World Roller Games, principal torneio de esportes sobre rodas do mundo. O tênis, por sua vez, sagrou-se vice-campeão interclubes da FPT na categoria Especial Masculina (EM).

CBHP/Divulgação _ O hóquei do Verdão teve até 'participação americana' na conquista do Torneio Nacional

Nas ginásticas, o Palmeiras obteve um título brasileiro de aeróbica na categoria trio juvenil. Já a patinação alviverde retomou a participação em torneios após a reforma do rinque do clube e conquistou medalhas estaduais, nacionais e continentais, sendo 15 de ouro na temporada.

Divulgação _ As meninas da patinação do Palmeiras fizeram bonito em 2019

Maior campeão nacional com cinco taças, o futebol de mesa alviverde ampliou sua galeria de prêmios em 2019 com diversos títulos individuais, além das conquistas do Torneio Início da FPFM sobre o Corinthians e do tetra do Sul-Americano por equipes contra o Vasco da Gama. Já o tênis de mesa do Verdão faturou pela primeira vez em 14 anos um título na modalidade com o atleta Diego Duarte, vencedor da Liga Nipo-Brasileira na categoria Infantil Masculino A.

Divulgação _ A equipe de futebol de mesa do Verdão é uma das maiores campeãs continentais

A equipe de tiro com arco do Palmeiras encerrou o ano com medalhas por onde passou. Ao todo, foram 23 prêmios obtidos em torneios nacionais e internacionais, com nove ouros, cinco pratas e nove bronzes. O futebol americano, por sua vez, faturou a divisão sudeste da Copa Brasil de Flag 5×5 Feminino, e o atletismo contou com o retorno do maratonista Gilson Miranda às principais competições de rua paulistanas.

Flagfootball.com.br _ As meninas do flag palmeirense disputaram a superfinal do torneio nacional em 2019

Alana Maldonado e Thiego Marques, judocas paralímpicos do Palmeiras, foram convocados na última quarta-feira (04) para a Seleção Brasileira ao IBSA Judo Americas Championship, em janeiro, no Canadá. O torneio é considerado o Pan-Americano da modalidade e conta pontos para o ranking mundial que define os classificados aos Jogos Paralímpicos de Tóquio.

Divulgação _ Alana e Thiego estão entre os principais nomes do judô paralímpico brasileiro

Esta será a primeira competição oficial da categoria na temporada 2020. Ao todo, foram chamados 13 atletas para a Seleção Brasileira, quase todos com participação no último Grand Prix, realizado sábado (30), no CT Paralímpico, em São Paulo.

Thiego, inclusive, sagrou-se campeão da competição nacional na categoria até 66kg masculina com três ippons. Alana, por sua vez, não participou do torneio por estar em tratamento de lesão no joelho. A atleta é a atual líder do ranking e campeã mundial na categoria até 70kg.

Os atletas recentemente representaram o Verdão nos Jogos Parapan-Americanos de Lima. Alana ficou com a medalha de prata, enquanto Thiego faturou o bronze inédito na carreira.

Mesmo subdivididos em peso, os judocas deficientes visuais possuem três classificações: B1 (completamente cego e não consegue ver nem distinguir o formato de uma mão, visto ter percepção luminosa nula), B2 (consegue ver vultos e distinguir o formato de uma mão) e B3 (capaz de definir imagens).

Angelo Salvioni
Departamento de Comunicação

Alexandre Schneider/EXEMPLUS/CPB _ Alana foi ao pódio em todos os torneios internacionais da carreiraAlana Maldonado, judoca do Palmeiras, conquistou a medalha de prata nos Jogos Parapan-Americanos de Lima, no Peru, neste domingo, na disputa da categoria feminina até 70kg. Vice-líder do ranking global e atual campeã mundial, a palmeirense foi ao pódio do torneio pela segunda vez na carreira, já que também foi prata nos Jogos de Toronto, no Canadá, em 2015.

Logo no primeiro combate, Alana teve pela frente a mexicana Lenia Alvarez, algoz nos últimos campeonatos. O duelo, um dos mais aguardados do Parapan, foi bastante equilibrado nos primeiros instantes. No entanto, a arbitragem viu falta de combatividade da brasileira durante a luta, e, por conta disso, a paratleta levou três punições, fato que deu a vitória à adversária.

Nos embates seguintes, a palmeirense derrotou por ippon logo nos primeiros segundos de luta as adversárias Christella Garcia, dos Estados Unidos, Nadia Boggiano, da Argentina, e Cynthia Simon, também dos EUA. Ela, inclusive, levou menos de um minuto para vencer os combates.

A judoca compete pela categoria B2 para deficientes visuais (consegue ver vultos e distinguir o formato de uma mão) e, desde sua chegada à Seleção Brasileira, em 2015, ela nunca ficou de fora do pódio em competições internacionais. A escrita foi mantida, e seu próximo compromisso com a Seleção Brasileira será o Grand Prix IBSA, em setembro, no Uzbequistão.

Com o encerramento das competições de judô, o Palmeiras foi ao pódio com seus dois representantes nos Jogos Parapan-Americanos. Além de Alana, Thiego Marques, dos pesos ligeiros masculinos (até 60kg), foi medalhista de bronze em sua primeira participação no torneio.

Angelo Salvioni
Departamento de Comunicação

Alexandre Schneider/EXEMPLUS/CPB _ Esta é a primeira participação de Thiego nos Jogos Parapan-AmericanosAs cores do Palmeiras estiveram muito bem representadas no primeiro dia de competições dos Jogos Parapan-Americanos de Lima, no Peru. Neste sábado (24), o judoca palmeirense Thiego Marques faturou a medalha de bronze nos pesos ligeiros masculinos (até 60kg) em sua primeira participação na história do torneio.

Para chegar ao pódio, o paratleta do Verdão enfrentou adversários duros e derrotou na disputa do bronze o canadense Justin Karn com um Waza-ari, em combate que durou quatro minutos. Antes da briga pelo prêmio, Thiego derrotou na estreia da categoria Ronald Hawthorne, dos EUA. Nas semifinais, acabou superado por Henry Borges, do Uruguai.

“As lutas foram muito boas. Bati na trave para chegar à final, mas é gratificante subir ao pódio na minha primeira participação nos Jogos Parapan-Americanos. Só tenho a agradecer a todos que me apoiaram nesse caminho. O trabalho continua, e o foco está em Tóquio e nos torneios que antecedem as Paralimpíadas”, declarou o judoca.

Thiego ingressou ao judô alviverde nesta temporada após grandes exibições em torneios universitários e convocação precoce à Seleção Brasileira com apenas 18 anos. O paratleta compete na categoria B3 para deficientes visuais (capaz de definir imagens).

Natural de Parauapebas, cidade localizada a 709 quilômetros da capital paraense Belém, o paratleta, atualmente com 20 anos, é portador do albinismo, mutação genética que inibe a produção de melanina, responsável pela cor da pele e dos cabelos. Uma das consequências deste distúrbio é a perda de visão, da qual o judoca conta com menos de 30% da capacidade.

O Palmeiras também será representado nos Jogos Parapan-Americanos de Lima neste domingo (25), com a judoca Alana Maldonado, atual campeã mundial paralímpica dos pesos médios femininos (até 70kg). Em sistema de todas contra todas nesta categoria, a paratleta enfrenta na competição Lenia Fabiola Alvarez (México), Nadia Boggiano (Argentina), Cynthia Simon (EUA) e Christella Garcia (EUA) em busca do ouro inédito.

Alexandre Schneider/EXEMPLUS/CPB _ Para ficar com o bronze, Thiego derrotou o canadense Justin Karn na disputa de terceiro lugar

Angelo Salvioni
Departamento de Comunicação

Um dos principais clubes do país, o Palmeiras tradicionalmente contribui para o esporte brasileiro com atletas que, inclusive, fizeram história no esporte nacional. Entre as diversas convocações ao Pan-Americano ao longo do tempo, o Verdão passou a ter representantes a nível internacional também no paradesporto, sobretudo nos Jogos Parapan-Americanos.

Em 2019, o Alviverde terá dois representantes no Parapan de Lima, no Peru. Ambos judocas: Alana Maldonado, campeã mundial da categoria de peso médio feminino (-70kg) e vice-líder do ranking mundial, e Thiego Marques, promessa do judô paralímpico brasileiro na categoria ligeiro masculino (-60kg) contratado pelo Verdão neste ano.

Fã das artes marciais desde o berço, Alana iniciou a carreira no judô aos quatro anos, sob forte influência da família e principalmente dos avós. No entanto, aos 14, descobriu que era portadora da doença de Stargardt, causadora de perda progressiva da visão central, mas que não afeta a visão periférica do indivíduo.

A judoca compete pela categoria B2 para deficientes visuais (consegue ver vultos e distinguir o formato de uma mão) e, desde sua chegada à Seleção Brasileira, em 2015, ela nunca ficou de fora do pódio em competições internacionais. No Parapan de Toronto, por exemplo, Alana foi medalhista de prata, e não falta empenho à paratleta para a busca do ouro inédito no torneio.

“O Parapan é a competição mais importante do ano. Quero o meu primeiro ouro para ajudar a colocar o Brasil onde ele merece, que é sempre no topo”, declarou a palmeirense, que foi eleita a atleta do ano pelo Comitê Paralímpico Brasileiro em 2018.

Federação Portuguesa de Judô _ Para ficar com o ouro no Mundial Paralímpico de Judô, Alana derrotou a uzbeque Vasila Aliboeva na decisão

Além do título mundial, a paratleta ostenta conquistas importantes desde sua chegada ao Palmeiras, em 2018, como dois ouros no German Open, dois vices-campeonatos da Copa do Mundo IBSA e o bicampeonato do GP Internacional, disputado neste ano em São Paulo. Com 24 anos recém-completados, Alana acumula outras conquista expressivas na carreira, como a medalha de prata nos Jogos Paralímpicos Rio 2016.

A judoca do Verdão estreia nos Jogos Parapan-Americanos de Lima neste domingo (05), em combate com a mexicana Lenia Fabiola Alvarez, algoz nos últimos campeonatos. Em sistema de todas contra todas, Alana ainda terá pela frente mais três adversárias pelo ouro nos pesos médios femininos: Nadia Boggiano (Argentina), Cynthia Simon (EUA) e Christella Garcia (EUA).

“Conheço a maioria das judocas que vão disputar o Parapan. Eu me preparei bastante, não só fisicamente, mas também estudando minhas principais adversárias. Chego a Lima 100% preparada para buscar o primeiro lugar”, completou a judoca.

Thiego, por sua vez, ingressou ao judô alviverde nesta temporada após grandes exibições em torneios universitários e convocação precoce à Seleção Brasileira com apenas 18 anos. O paratleta participa pela primeira vez dos Jogos Parapan-Americanos e vê o torneio como o mais importante da carreira.

“É muito gratificante participar do Parapan principalmente por se assemelhar bastante aos Jogos Paralímpicos. Estive no Japão e a sensação é bastante parecida, seja pela presença de uma vila de atletas, pela reunião da delegação brasileira. Tive contato com gente de esportes que eu não imaginava ter, e todos torcem por todos. Isso faz bastante diferença”, disse.

Divulgação _ Thiego e Alana dividem o tatame no Palmeiras

Natural de Parauapebas, cidade localizada a 709 quilômetros da capital paraense Belém, o paratleta, atualmente com 20 anos, é portador do albinismo, mutação genética que inibe a produção de melanina, responsável pela cor da pele e dos cabelos. Uma das consequências deste distúrbio é a perda de visão, da qual o judoca conta atualmente com menos de 30% da capacidade. O tema era motivo de bullying na escola durante a infância, e o judô o ajudou a dar a volta por cima por meio do esporte.

Uma de suas grandes referências na concentração do Parapan é o judoca Antônio Tenório, único tetracampeão paralímpico consecutivo da história. O experiente paratleta, atualmente com 48 anos, tem sido um dos “mentores” de Thiego na preparação ao torneio.

“Essa integração com atletas mais experientes é muito proveitosa. Nós dividimos quarto na concentração e ele é uma grande pessoa, além de vencedor. Trocamos muitas palavras, ideias, experiências, dicas de treino, concentração. Conviver com alguém com este currículo é um privilégio para minha carreira”, comentou o palmeirense.

A estreia de Thiego nos Jogos Parapan-Americanos entre os ligeiros masculinos (-60kg) será neste sábado (04), contra Ronald Hawthorne, dos Estados Unidos, nas quartas de final. O paratleta está incluído na categoria B3 para deficientes visuais (capaz de definir imagens).

Palmeiras no Parapan

O primeiro paratleta da história do clube a disputar os Jogos Parapan-Americanos foi Júlio César de Oliveira, em Toronto, no ano de 2015. Na ocasião, o arqueiro ficou na quinta colocação geral do certame e foi o melhor brasileiro nas disputas de tiro com arco.

Angelo Salvioni
Departamento de Comunicação

A judoca alviverde Alana Maldonado faturou o vice-campeonato do torneio de qualificação da Federação Internacional de Desportos para Cegos (IBSA), que teve a final da categoria de peso médio feminino (-70kg) disputada nesta quinta-feira (04) em Indiana, nos Estados Unidos.

Divulgação _ Alana é um dos principais nomes do judô paralímpico mundial

Com lutas rápidas, a palmeirense chegou rapidamente à final da categoria após vitórias por ippon contra Kazusa Ogawa, do Japão, e Ping Wang, da China. Já na decisão do ouro, combate duríssimo com a mexicana Lenia Fabiola Alvarez, pedra no sapato de Alana nas últimas disputas. Após mais de quatro minutos de combate, a adversária levou a melhor por ter um Waza-ari de diferença para a brasileira, que sofreu duas penalidades.

Com a medalha, a paratleta do Verdão manteve a incrível escrita de não ficar de fora do pódio em competições internacionais pela Seleção Brasileira. O torneio de qualificação da IBSA é considerado o mais importante da temporada e conta pontos para o ranking mundial e faz parte do ciclo paralímpico dos Jogos de Tóquio, em 2020.

Em 2019, Alana já se sagrou tetracampeã do Grand Prix Internacional, medalhista de ouro do German Open e de prata no Grand Prix IBSA. A paratleta é a atual campeã mundial e vice-líder do ranking na categoria de peso médio (até 70kg).

Após o torneio nos Estados Unidos, a delegação brasileira embarca para o Japão, onde realiza aclimatação e treinos como parte do ciclo paralímpico até o final do mês de julho. Quem também estará com a equipe é o palmeirense Thiego Marques, que ficou com a quinta colocação na competição da IBSA na categoria ligeiro masculino (-60kg).

Angelo Salvioni
Departamento de Comunicação

Um dos principais nomes do judô paralímpico brasileiro, a palmeirense Alana Maldonado disputa entre os dias 01 e 05 de julho um torneio de qualificação da Federação Internacional de Desportos para Cegos (IBSA), sediado em Indiana, nos Estados Unidos. A competição conta pontos para o ranking mundial e faz parte do ciclo paralímpico dos Jogos de Tóquio, em 2020.

Divulgação _ Alana é um dos principais nomes do Brasil na modalidade

Prata nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, a judoca do Verdão celebra a possibilidade de completar um ciclo de quatro anos de treinos antes de Tóquio, já que sua estreia na Seleção Brasileira ocorreu em 2015 – justamente no torneio de qualificação da IBSA, na Coreia do Sul. Naquela oportunidade, Alana foi medalhista de bronze.

“A categoria cresceu muito de 2015 para cá. Com um ano para o início dos Jogos, muita coisa pode acontecer. Estou bastante confiante principalmente por ter a chance de completar o ciclo preparatório para as Paralimpíadas e tenho a expectativa de trazer o ouro para casa, pois será o torneio mais importante da temporada”, declarou a palmeirense.

Em 2019, Alana já se sagrou tetracampeã do Grand Prix Internacional, medalhista de ouro do German Open e de prata no Grand Prix IBSA. Desde sua chegada à Seleção, em 2015, ela nunca ficou de fora do pódio em competições internacionais. A paratleta é a atual campeã mundial e vice-líder do ranking na categoria de peso médio (até 70kg).

Após o torneio nos Estados Unidos, a delegação brasileira embarca para o Japão, onde realizará aclimatação e treinos como parte do ciclo paralímpico até o final do mês de julho. Quem também estará com a equipe é o palmeirense Thiego Marques, reforço contratado pelo judô do Verdão neste ano e um dos principais talentos do masculino na categoria ligeiro (até 60kg).

Alana visitou recentemente a Academia de Futebol e foi tietada pelos jogadores do Verdão. Confira o vídeo especial feito pela TV Palmeiras/FAM: 

Angelo Salvioni
Departamento de Comunicação

O judô paralímpico do Palmeiras subiu ao pódio mais uma vez em 2019. Alana Maldonado, segunda melhor judoca paralímpica do mundo na categoria até 70kg, sagrou-se medalhista de prata do Grand Prix IBSA nesta terça-feira (14), em Baku, no Azerbaijão. Este foi o terceiro prêmio da atleta alviverde na temporada, já que foi campeã do Grand Prix Internacional e do Aberto da Alemanha – ambos no mês de março.

Gabriela Sabau/IJF _ Ao lado das brasileiras Meg Emmerich e Rebeca Souza, Alana exibe mais uma conquista na carreira

Para chegar à final, Alana derrotou as judocas Theodora Paschalidou (Grécia), número 13 do ranking mundial da categoria, e Vasila Aliboeva (Uzbequistão), número 3. Na grande decisão, a palmeirense foi superada pela mexicana Lenia Ruvalcaba Alvarez, algoz na disputa do ouro nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro, em 2016.

“Saio de Baku de cabeça erguida e com uma medalha de prata no peito. O ouro não veio por muito pouco, mas o que vale mesmo é ter mais uma grande experiência na bagagem. A temporada será bastante cheia, e o foco de agora é conseguir vaga nos Jogos Paralímpicos de Tóquio”, declarou Alana, que não sabe o que é ficar de fora do pódio em competições paralímpicas internacionais pela Seleção Brasileira desde sua primeira aparição, em 2015.

O Grand Prix IBSA recebeu este nome em 2019 como substituição à Copa do Mundo, competição que Alana foi ao pódio pela terceira vez na carreira. A atleta soma agora um ouro (2017) e duas pratas (2018 e 2019).

Quem também representou o Verdão no Grand Prix IBSA foi Thiego Marques, reforço adquirido pelo clube nesta temporada. Competidor da categoria até 60kg, o paraense derrotou na estreia o japonês Takaaki Hirai, mas foi superado na fase seguinte pelo georgiano Zurab Zurabiani.

Mesmo subdivididos em peso, os judocas deficientes visuais possuem três classificações: B1 (completamente cego e não consegue ver nem distinguir o formato de uma mão, visto ter percepção luminosa nula), B2 (consegue ver vultos e distinguir o formato de uma mão) e B3 (capaz de definir imagens).

Angelo Salvioni
Departamento de Comunicação

Alana Maldonado, judoca paralímpica do Palmeiras, vive excelente fase. No último sábado (30), a paratleta alviverde se sagrou bicampeã dos pesos médios femininos (-70kg) no Aberto da Alemanha, disputado na cidade de Heidelberg, e chegou à segunda medalha de ouro na temporada, já que também venceu o Grand Prix Internacional Paralímpico neste ano.

Divulgação _ É a segunda vez seguida que a paratleta alviverde vence a competição

Para chegar ao segundo título consecutivo do torneio, a palmeirense venceu suas cinco adversárias por ippon: Natalie Greenhough (Grã-Bretanha), Matilde Lauria (Itália), Kazusa Ogawa (Japão), Elena Popova (Rússia) e Olga Zabrodskaya (Rússia), atual líder do ranking mundial da categoria. Alana é a vice-líder da lista e divide o topo constantemente com a russa.

“Estou muito feliz, pois sei que fiz um ótimo campeonato. A equipe brasileira no todo fez um grande torneio, com diversas medalhas. O ano será bastante cheio, e temos de focar agora na disputa da Copa do Mundo”, declarou Alana. Ao todo, a Seleção Brasileira faturou três ouros, duas pratas e um bronze.

Mesmo subdivididos em peso, os judocas deficientes visuais possuem três classificações: B1 (completamente cego e não consegue ver nem distinguir o formato de uma mão, visto ter percepção luminosa nula), B2 (consegue ver vultos e distinguir o formato de uma mão) e B3 (capaz de definir imagens). Alana, assim como suas adversárias, pertence à categoria B2.

Contratada pelo Verdão no ano passado e de contrato renovado até o fim de 2019, a judoca ostenta outras conquistas importantes na carreira, como os títulos do Mundial, da Copa do Mundo e do GP Internacional e o vice nos Jogos Paralímpicos Rio 2016. A atleta está com a Seleção Brasileira em Bordeaux, na França, para treinos preparatórios ao Grand Prix IBSA, marcado para acontecer no mês de maio, no Azerbaijão.

Angelo Salvioni
Departamento de Comunicação

O judô paralímpico da Sociedade Esportiva Palmeiras recebeu um reforço de peso para a temporada 2019. Atual medalhista de ouro do Grand Prix Internacional e número 17 do mundo na categoria ligeiro (-60kg), o paraense Thiego Marques se junta à Alana Maldonado, campeã mundial da modalidade em 2018, para defender as cores Verdão ao longo do ano.

Angelo Salvioni/Palmeiras _ Thiego e Alana foram trazidos ao Verdão por Denilson Lourenço, professor de judô do clube

Natural de Parauapebas, cidade localizada a 709km de distância da capital paraense Belém, o paratleta tem sido destaque da modalidade desde a adolescência com a conquista de diversas competições de idade escolar, como as Paralimpíadas Escolares, o Grand Prix e, principalmente, o vice-campeonato mundial de jovens, em 2013, nos Estados Unidos. Thiego celebrou a oportunidade de defender o judô alviverde e exaltou a grandeza do clube no esporte nacional.

“Reprensentar o Palmeiras é o mesmo que buscar o equilíbrio de uma balança. É uma honra grandiosa representar esse escudo, que vem também com a responsabilidade de defender um dos maiores times do país ao lado de uma campeã mundial paralímpica. Sei que tenho de dar o meu melhor para representar as cores do clube tanto no Brasil quanto no mundo”, declarou.

Com 20 anos de idade atualmente, o judoca é portador do albinismo, mutação genética que inibe a produção de melanina, responsável pela cor da pele e dos cabelos. Uma das consequências deste distúrbio é a perda de visão, da qual o paratleta conta atualmente com menos de 30% da capacidade. O tema era motivo de bullying na escola durante a infância, e o judô ajudou o paraense a dar a volta por cima através do esporte.

“Tive dificuldades para estudar e ter contato com outras pessoas. Isso acabou me afastando do pessoal. Eu também fazia parte de uma escola especial para deficientes visuais, e alguns colegas praticavam judô. Uma vez, eles me convidaram para participar e não saí mais. Peguei gosto pela coisa. Isso me ajudou a perder a timidez e ser incluído socialmente. Se não fosse o esporte, acredito que não teria as perspectivas e oportunidades que tenho hoje”, contou.

Descoberto no Pará pelo professor Antônio Sérgio Soares, que acumula participações na delegação da Seleção Brasileira de Judô Paralímpico, Thiego chamou a atenção pelo desempenho nas competições escolares e passou a participar de treinos com a equipe principal do Brasil. Já pelo time adulto, em 2017, foi bronze do Parapan-Americano e quinto lugar da Copa do Mundo, feitos que comprovaram o talento do garoto paraense na modalidade.

O próximo compromisso do palmeirense em competições paralímpicas é a Copa do Mundo de Baku, no Azerbaijão, em maio. Ele, assim como Alana Maldonado, representa a Seleção Brasileira em busca de sua primeira medalha de ouro em competições adultas fora do Brasil. Ambos são fortes candidatos a defender o país nos Jogos Parapan-Americanos de Lima, no Peru, no mês de agosto.

ELE SUPEROU O BULLYING E VIROU INSPIRAÇÃO NO PALMEIRAS

Angelo Salvioni
Departamento de Comunicação

A judoca palmeirense Alana Maldonado fez história mais uma vez. No último sábado (16), no CT Paralímpico, em São Paulo (SP), a paratleta do Verdão se sagrou campeã do Grand Prix Internacional pela quarta vez na carreira nos pesos médios femininos (-70kg), fazendo jus ao posto de melhor atleta do mundo em sua categoria.

CBDV/Divulgação _ Alana reencontrou adversárias da edição de 2018 do Grand Prix na disputa deste ano

Esta foi a primeira competição oficial de Alana na temporada 2019. Para ficar com a medalha de ouro, a atual campeã mundial paralímpica desbancou todas as suas adversárias por ippon: Karoline Duarte (ADESUL-CE), Brenda Freitas (CEIBC-RJ) e Érika Zoaga (ISMAC-MS).

Com o resultado, a paratleta segue sem saber o que é ficar de fora do pódio no torneio desde sua primeira participação, em 2015. Ao todo, são quatro títulos (2015, 2016, 2018 e 2019) e um vice-campeonato (2017) conquistados, além de um lugar na Seleção Brasileira.

“Este foi apenas o primeiro campeonato de um ano que será bastante movimentado. Daqui 15 dias estarei com a Seleção para mais um torneio. Estou bastante feliz com a conquista de mais um Grand Prix e espero conseguir trazer mais uma medalha internacional para o Brasil neste mês”, avaliou a judoca, que disputa no fim de março o German Open, na Alemanha.

Fã das artes marciais desde o berço, Alana Maldonado iniciou a carreira no judô aos quatro anos, sob forte influência da família e principalmente dos avós. No entanto, aos 14, descobriu que era portadora da doença de Stargardt, causadora de perda progressiva da visão central, mas que não afeta a visão periférica do indivíduo.

Contratada pelo Verdão no ano passado e de contrato renovado até o fim de 2019, Alana ostenta conquistas importantes desde sua chegada ao clube, como os ouros no Mundial e no GP Internacional e a prata na Copa do Mundo Paralímpica. Além disso, ela também foi vice-campeã dos Jogos Paralímpicos Rio 2016 e faturou os títulos da Copa do Mundo 2017, no Uzbequistão, e do German Open 2018, na Alemanha (todos na categoria 70kg).

Angelo Salvioni
Departamento de Comunicação

Divulgação _ Alana busca sua quarta medalha de ouro na história da competiçãoAtual campeã mundial de judô paralímpico, a palmeirense Alana Maldonado disputa a partir deste sábado (16) o Grand Prix Internacional de Judô Paralímpico, sediado no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo (SP).

Melhor atleta feminina do planeta nos pesos médios (-70kg), a judoca é a atual campeã do GP em sua categoria. Para chegar ao lugar mais alto do pódio em 2018, Alana superou Erika Zoaga, da Associação Rondonopolitana de Deficientes Visuais (ARDV), Natalie Greenhough, da Grã-Bretanha, e Karoline Duarte, da APAE Leopoldina (MG) – todas por ippon.

Em treinamento com a Seleção Brasileira no CT Paralímpico desde o dia 7 de março, a palmeirense se vê preparada para brigar por pódio em todas as competições do ano. “É o primeiro campeonato de 2019. Será um ano bastante intenso, com diversos torneios principalmente fora do país, mas estou me sentindo muito bem e preparada para dar o meu melhor nos tatames”, declarou.

Curiosamente, Alana nunca ficou de fora do pódio do Grand Prix Internacional de Judô Paralímpico desde quando começou a disputar o torneio, em 2015 – mesmo ano em que foi convocada pela primeira vez à Seleção Brasileira. Desde então, são três medalhas de ouro (2015, 2016 e 2018) e uma de prata (2017).

Fã das artes marciais desde o berço, Alana Maldonado iniciou a carreira no judô aos quatro anos, sob forte influência da família e principalmente dos avós. No entanto, aos 14, descobriu que era portadora da doença de Stargardt, causadora de perda progressiva da visão central, mas que não afeta a visão periférica do indivíduo.

Contratada pelo Verdão no ano passado e de contrato renovado até o fim de 2019, Alana ostenta conquistas importantes desde sua chegada ao clube, como os ouros no Mundial e no GP Internacional e a prata na Copa do Mundo Paralímpica. Além disso, ela também foi vice-campeã dos Jogos Paralímpicos Rio 2016 e faturou os títulos da Copa do Mundo 2017, no Uzbequistão, e do German Open 2018, na Alemanha (todos na categoria 70kg).

Angelo Salvioni
Departamento de Comunicação

Divulgação _ Alana (esq.) e Denilson (dir.) foram os premiados do Verdão na noiteAtual campeã mundial de judô na categoria de peso médio (-70kg) para deficientes visuais, a palmeirense Alana Maldonado foi eleita a atleta do ano no Prêmio Paralímpicos, evento promovido pelo Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) na noite desta quarta-feira (12), no CT Paralímpico, em São Paulo (SP).

Este foi o segundo ano consecutivo em que a palestrina conquistou o prêmio de melhor atleta feminina da temporada. Além disso, ela também foi eleita como melhor expoente do judô paralímpico no ano. Também do Verdão, o sensei Denilson Lourenço recebeu o troféu de melhor técnico individual, já que é o responsável pelos treinamentos de Alana.

“Este prêmio foi para fechar o ano com chave de ouro. Foi uma noite incrível, de reconhecimento por todo o trabalho realizado na temporada. A alegria acabou sendo dobrada pelo Denilson também. É um grande técnico e que está nessa caminhada comigo há bastante tempo. Ele merece muito”, celebrou a judoca.

Fã das artes marciais desde o berço, Alana iniciou a carreira no judô aos quatro anos, sob forte influência da família e principalmente dos avós. No entanto, aos 14, descobriu que era portadora da doença de Stargardt, causadora de perda progressiva da visão central, mas que não afeta a visão periférica do indivíduo.

Além do título mundial e da liderança no ranking da IBSA (Federação Internacional dos Desportos para Cegos) em sua faixa de peso, a judoca ostenta conquistas importantes desde sua chegada ao Palmeiras, como a medalha de prata na Copa do Mundo Paralímpica e o ouro no Grand Prix Internacional Paralímpico após derrotar todas as adversárias por ippon.

Destaque do judô nacional nos últimos tempos, Alana, com apenas 23 anos, vem em ascensão meteórica na carreira e soma outros grandes feitos, como a medalha de prata nos Jogos Paralímpicos Rio 2016 e os ouros na Copa do Mundo 2017, no Uzbequistão, e no Open 2018, na Alemanha (todos na categoria 70kg).

Angelo Salvioni
Departamento de Comunicação

Divulgação _ Este foi o terceiro título internacional da atleta desde sua chegada ao VerdãoAlana Maldonado, judoca paralímpica do Palmeiras, fez mais uma vez história na modalidade. Neste sábado (17), a paratleta conquistou a medalha de ouro no Campeonato Mundial de Judô Paralímpico, para deficientes visuais, em Lisboa, Portugal. Líder do ranking internacional na categoria de peso médio (-70kg), a palestrina venceu todas as suas lutas na competição.

O caminho até o topo do pódio não foi fácil. Por ser cabeça de chave, Alana folgou na primeira rodada e estreou com triunfo sobre Zulfiyya Huseynova, do Azerbaijão. Em seguida, já pelas semifinais, venceu por ippon Lucija Breskovic, da Croácia, número oito do mundo.

Na decisão do ouro, a oponente foi a uzbeque Vasila Aliboeva, sexta colocada no ranking mundial. O combate foi duro para Alana, que perdia nas punições até os 28 segundos finais de luta. No entanto, a palmeirense conseguiu imobilizar a adversária e, assim, garantir o título da competição internacional de forma emocionante.

“Valeu a pena todo o esforço, tanto é que fiquei bem exausta no final. Ainda não caiu a ficha do peso dessa medalha do Mundial, mas, felizmente, deu tudo certo. Tive um ano difícil principalmente por conta da lesão, mas o resultado positivo veio”, declarou a atleta, recuperada de grave lesão no joelho a tempo de disputar o torneio mundial.

Este foi o terceiro título internacional da paratleta desde sua chegada ao clube alviverde nesta temporada. Além do ouro no Mundial, Alana foi prata na Copa do Mundo Paralímpicacampeã do Grand Prix Internacional Paralímpico, disputado no mês de março, em São Paulo (SP), após derrotar todas as adversárias por ippon.

Destaque do judô nacional nos últimos anos, Alana, com apenas 23 anos, vem em ascensão meteórica e soma outras grandes conquistas na carreira, como a medalha de prata nos Jogos Paralímpicos Rio 2016 e os ouros na Copa do Mundo 2017, no Uzbequistão, e no Open 2018, na Alemanha (todos na categoria 70kg).

Mesmo subdivididos em peso, os judocas deficientes visuais são classificados em três níveis: B1 (completamente cego e não consegue ver nem distinguir o formato de uma mão, visto ter percepção luminosa nula), B2 (consegue ver vultos e distinguir o formato de uma mão e B3 (capaz de definir imagens). Alana é portadora da doença de Stargardt (que degenera a visão central do indivíduo) desde os 14 anos e, por conta disso, pertence à categoria B2, já que a enfermidade não prejudica a visão periférica da paratleta.

Angelo Salvioni
Departamento de Comunicação

Alana Maldonado, principal paratleta feminina brasileira de 2017, participa nos dias 16, 17 e 18 de novembro do Campeonato Mundial Paralímpico de Judô, principal competição da modalidade após os Jogos Paralímpicos com sede em Lisboa, Portugal. A judoca disputa a premiação na categoria de peso médio (-70kg) para deficientes visuais.

Divulgação _ A atleta recebeu neste ano o 2º Dan, graduação concedida aos judocas pelo tempo de faixa preta

Assista ao vivo às lutas da competição clicando aqui e aqui.

Recuperada de lesão no joelho, a judoca teve outro feito recente para comemorar: ela segue na liderança do ranking mundial de sua faixa de peso, com 850 pontos. Alana é seguida de perto na lista pela russa Olga Zabrodskaia, algoz na final da Copa do Mundo da Turquia, com 840 pontos. No Mundial, a palmeirense disputa também a premiação por equipes.

Presença constante na Seleção Brasileira em competições internacionais, Alana mostra otimismo com a oportunidade de trazer mais uma medalha para o Brasil. “Estou bem feliz de ir ao Mundial. É uma grande conquista, pois venho de lesão e me dediquei ao máximo para conseguir integrar a equipe. A recuperação foi incrível tanto da parte médica quanto da fisioterapia. Tive bastante apoio de todos os lados e isso me deixou ainda mais confiante para buscar um lugar no pódio”, disse.

Mesmo subdivididos em peso, os judocas deficientes visuais são classificados em três níveis: B1 (completamente cego e não consegue ver nem distinguir o formato de uma mão, visto ter percepção luminosa nula), B2 (consegue ver vultos e distinguir o formato de uma mão – caso de Alana) e B3 (capaz de definir imagens).

Este é o terceiro torneio internacional da paratleta desde sua chegada ao clube alviverde nesta temporada. Além da prata na Copa do Mundo Paralímpica, Alana foi campeã do Grand Prix Internacional Paralímpico, disputado no mês de março, em São Paulo (SP), após derrotar todas as adversárias por ippon.

Destaque do judô nacional nos últimos anos, Alana vem em ascensão meteórica e soma outras grandes conquistas na carreira, como a medalha de prata nos Jogos Paralímpicos Rio 2016 e os ouros na Copa do Mundo 2017, no Uzbequistão, e no Open 2018, na Alemanha (todos na categoria 70kg).

Angelo Salvioni
Departamento de Comunicação

Alana Maldonado, judoca paralímpica da Sociedade Esportiva Palmeiras, segue fazendo história na modalidade. No último domingo (22), a paratleta se sagrou medalhista de prata pela Seleção Brasileira na Copa do Mundo da Federação Internacional de Desportos para Cegos (IBSA), disputada na cidade de Antalya, na Turquia. Ela compete pela categoria de peso médio (-70kg).

Este é o segundo prêmio internacional da judoca desde sua chegada ao clube alviverde nesta temporada. Em março, Alana foi campeã do Grand Prix Internacional Paralímpico, disputado em São Paulo (SP), após derrotar todas as adversárias por ippon. Com apenas 22 anos de idade, a palestrina é líder do ranking mundial IBSA em sua categoria desde o ano passado.

Divulgação _ Alana soma três medalhas em competições internacionais na temporada

Mesmo lesionada ainda na primeira fase, Alana foi para os tatames e brigou de igual para igual com as adversárias até a final. Na estreia, vitória sobre Raziye Ulucam, da Turquia. Nas semifinais, em luta disputadíssima com a sul-coreana Gaeun Lee, 11ª no ranking mundial, a palmeirense venceu por wazari no golden score (tempo extra destinado ao desempate da luta).

Na decisão contra a russa Olga Zabrodskaya, sétima melhor judoca paralímpica do mundo, Alana foi vencida nos detalhes. A medalha de prata foi avaliada pela atleta do Verdão como “prêmio da superação”, que tem pela frente no mês de maio a disputa do Pan-Americano IBSA, em Calgary, no Canadá.

“Tirei forças de todos os lugares possíveis e fui até o fim. Dei o meu melhor e estou muito feliz com o resultado. O foco de agora é treinar forte para o Pan do Canadá. Tem um mês até lá, tempo suficiente para recuperar a lesão e buscar mais uma medalha na carreira”, disse.

Destaque do judô nacional nos últimos anos, a paratleta vem em ascensão meteórica e soma outras grandes conquistas na carreira, como a medalha de prata nos Jogos Paralímpicos Rio 2016 e os ouros na Copa do Mundo 2017, no Uzbequistão, e no Open 2018, na Alemanha (todos na categoria 70kg).

Mesmo subdivididos em peso, os judocas deficientes visuais são classificados em três níveis: B1 (completamente cego e não consegue ver nem distinguir o formato de uma mão, visto ter percepção luminosa nula), B2 (consegue ver vultos e distinguir o formato de uma mão – caso de Alana) e B3 (capaz de definir imagens).

Pratique judô no Palmeiras

O Palmeiras promove aulas de escolinha de judô para associados de diversas faixas etárias, de terças a sextas, em diversos horários. Clique aqui para acessar a página voltada aos sócios no site oficial e confira a programação completa de atividades no clube.

Angelo Salvioni
Departamento de Comunicação

Atual campeã do Grand Prix Internacional de Judô Paralímpico, Alana Maldonado foi convocada novamente para a Seleção Brasileira da modalidade. Desta vez, a judoca palestrina participará da Copa do Mundo da Federação Internacional dos Desportos para Cegos (IBSA), torneio sediado na cidade de Antalya, na Turquia, entre os dias 18 e 27 de abril.

Fabio Menotti/Ag. Palmeiras/Divulgação _ Alana soma diversas conquistas internacionais nos últimos anos

Destaque do judô nacional desde 2015, a paratleta vem em ascensão meteórica na carreira e, com apenas 22 anos, soma grandes conquistas, como a medalha de prata nos Jogos Paralímpicos Rio 2016 e os ouros na Copa do Mundo 2017, no Uzbequistão, e no Open 2018, na Alemanha (todos na categoria 70kg).

Incorporada ao clube alviverde neste ano, Alana celebrou mais uma convocação para a Seleção na carreira. “Fiquei muito feliz com esta chamada. Será um torneio muito competitivo, pois poderei encontrar minhas principais adversárias e promessas da categoria. Estou bastante confiante, treinada e preparada para buscar os melhores resultados lá na Turquia”, disse.

Além da palestrina, a delegação do Brasil contará com outros nomes consagrados do paradesporto nacional, como Antônio Tenório, Willians Araújo e Lúcia Araújo, além das revelações Rebeca Silva, de apenas 17 anos, e Thiego Silva, de 19. Os treinos preparatórios da equipe estão previstos para acontecer no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo.

Mesmo subdivididos em peso, os judocas deficientes visuais possuem ainda três classificações: B1 (completamente cego e não consegue ver nem distinguir o formato de uma mão, visto ter percepção luminosa nula), B2 (consegue ver vultos e distinguir o formato de uma mão – caso de Alana) e B3 (capaz de definir imagens).

Pratique judô no Palmeiras

O Palmeiras promove aulas de escolinha de judô para associados de diversas faixas etárias, de terças a sextas, em diversos horários. Clique aqui para acessar a página voltada aos sócios no site oficial e confira a programação completa de atividades no clube.

Angelo Salvioni
Departamento de Comunicação

Divulgação _ Alana é treinada pelo sensei palestrino Denilson LourençoAlana Maldonado, atleta paralímpica da Sociedade Esportiva Palmeiras, faturou a medalha de ouro no Grand Prix Internacional de Judô disputado no último sábado (17), no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo (SP). A judoca palestrina foi campeã na categoria de peso médio (-70kg) para deficientes visuais.

Para chegar ao lugar mais alto do pódio, Alana superou no primeiro combate Erika Zoaga, da Associação Rondonopolitana de Deficientes Visuais (ARDV). Em seguida, teve confronto internacional com Natalie Greenhough, da Grã-Bretanha, e levou a melhor. Na grande final, a palestrina enfrentou Karoline Duarte, da APAE Leopoldina (MG), e, assim como nas lutas anteriores, venceu a adversária por ippon.

Mesmo subdivididos em peso, os judocas deficientes visuais possuem ainda três classificações: B1 (completamente cego e não consegue ver nem distinguir o formato de uma mão, visto ter percepção luminosa nula), B2 (consegue ver vultos e distinguir o formato de uma mão – caso de Alana) e B3 (capaz de definir imagens). O torneio contou com cerca de 200 atletas de sete países.

“Fico muito feliz pelo trabalho realizado nestes últimos tempos. Todo o esforço tem sido recompensado, e tudo tem dado bastante certo na minha carreira. Esta foi a primeira medalha desde minha chegada ao Palmeiras e espero fazer parte da equipe que disputará os Jogos Olímpicos de 2020, no Japão”, celebrou.

Destaque do judô nacional desde 2015, a paratleta vem em ascensão meteórica na carreira e, com apenas 22 anos, soma grandes conquistas, como a medalha de prata nos Jogos Paralímpicos Rio 2016 e os ouros na Copa do Mundo 2017, no Uzbequistão, e no Open 2018, na Alemanha (todos na categoria 70kg). Pelo Verdão, Alana disputará competições paradesportivas e regulares (olímpicas).

Seu próximo desafio pela Seleção Brasileira será na Copa do Mundo em Antalya, Turquia, no mês de abril. A temporada terá ainda a disputa do Campeonato das Américas IBSA, de 17 a 23 de maio, no Canadá, e o Campeonato Mundial, em novembro, na cidade de Lisboa, em Portugal.

Verdão fatura nove medalhas na Copa São Paulo

Depois do bom desempenho no torneio amistoso Yokichi Kimura, a equipe de judocas do Palmeiras conquistou 12 medalhas na Copa São Paulo de Judô, disputada no último final de semana no Ginásio Poliesportivo Adib Moysés Dib, em São Bernardo do Campo (SP), e que reuniu aproximadamente 2800 atletas de 16 estados brasileiros.

Ao todo, o Alviverde faturou um ouro, quatro pratas e quatro bronzes e ficou no 12º lugar geral das 137 agremiações participantes. A medalha dourada foi conquistada por Victor Hugo Nascimento, na categoria meio-médio Sub-18. As prateadas vieram com Ellen Froner (Sub-21 – médio), Gustavo Cardoso (Sub-21 – meio-pesado), Victor Hugo Delgado (Sênior – leve) e Anne Caroline de Oliveira (Sênior – meio-pesado).

Já os medalhistas de bronze pelo Verdão foram Isabelle Alves de Paula (Sub-13 – meio-leve), Ketelyn Nascimento (Sub-21 – leve), Victor Sambatti (Sub-15 – meio-pesado) e Juan Victor Bispo (Sub-18 – médio). Catarina Dizioli (Sub-15 – meio-leve) e Pedro Henrique Santos (Sub-18 – leve) fecharam a participação palestrina na quinta colocação.

Everton Monteiro/Boletim Osotogari _ Victor Hugo Nascimento conquistou a medalha de ouro na Copa São Paulo

Angelo Salvioni
Departamento de Comunicação

Fabio Menotti/Ag. Palmeiras/Divulgação_Alana conquistou a medalha de prata nos Jogos Paralímpicos do Rio de JaneiroPrincipal paratleta feminina brasileira em 2017, Alana Maldonado defenderá as cores do Palmeiras nos tatames nesta temporada. Destaque nas competições internacionais desde 2015, a judoca vem em ascensão meteórica na carreira e, com apenas 22 anos, soma grandes conquistas, como a medalha de prata nos Jogos Paralímpicos Rio 2016 e os ouros na Copa do Mundo 2017, no Uzbequistão, e no Open 2018, na Alemanha (todos na categoria 70kg).

Fã das artes marciais desde o berço, Alana iniciou a carreira no judô aos quatro anos, sob forte influência da família e principalmente dos avós. No entanto, aos 14, a atleta descobriu que era portadora da doença de Stargardt, causadora de perda progressiva da visão. Ela tem atualmente 20% desta capacidade e precisou tomar importantes decisões para continuar no esporte.

“Foi um momento muito difícil para mim e para minha família, pois, além da aceitação, eles não sabiam o que fazer para me ajudar. Fiquei um ano afastada de tudo para me entender e, a partir de então, planejei o que seria e faria dali para a frente. Muitas perguntas vêm à cabeça neste momento, mas decidi voltar ao judô. Superei as adversidades, consegui me adaptar muito bem e hoje estou aqui no Palmeiras”, disse.

Na época em que descobriu a doença, a atleta estava na faixa marrom de judô. Hoje na preta, ela é referência para os demais judocas e senseis palestrinos. Um deles, Denilson Lourenço, treinador de Alana na Seleção Brasileira Paralímpica desde 2015 e elemento fundamental no sucesso de sua carreira.

“Eu conheci o Denilson em 2015 quando foi para Tupã, minha cidade, observar treinos. Desde então passamos a treinar juntos e nossos estilos de luta são parecidos, desde o combate até a parte psicológica. Ele me conhece muito bem, pois sabe como gosto de lutar, quando estou nervosa, confiante, e foi muito importante para mim nestas últimas conquistas”, destacou.

Divulgação_Alexandre Gaspar, diretor do judô, Alana e Denilson Lourenço (esq. para a dir.) no primeiro treino da atleta no clube

Vinculada à Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais (CBDV) e à Associação Mariliense de Esportes Inclusivos (AMEI), ela disputará pelo Verdão competições paradesportivas e regulares (olímpicas). Além de rasgar elogios ao judô palestrino, Alana credita sua chegada ao clube a Denilson e tem como grande sonho na carreira ser medalhista de ouro nas Paralimpíadas.

“Desde o ano passado nós planejamos uma rotina de treinos e competições no regular para somar ao paralímpico. Propus esse desafio a mim mesma, e o Palmeiras me abraçou. O sensei Denilson e os diretores abriram as portas para mim, pois cheguei para somar”, finalizou.

O próximo desafio de Alana Maldonado pela Seleção será na Copa do Mundo em Antalya, Turquia, no mês de abril. A temporada terá ainda a disputa do Campeonato das Américas IBSA, de 17 a 23 de maio, no Canadá, e o Campeonato Mundial, em novembro, na cidade de Lisboa, em Portugal.