Departamento de Comunicação

No empate entre Palmeiras e Botafogo deste domingo (18), foram a campo oito jogadores oriundos da base do Verdão dos 11 titulares (apenas Weverton, Kuscevic e Viña não eram Pratas da Casa em campo dentre os titulares). Desta forma, Vanderlan, Renan, Gustavo Garcia, Fabinho, Lucas Esteves, Wesley, Giovani e Rafael Elias, juntos, impuseram o novo recorde palestrino deste século de Crias da Academia em campo no onze inicial.

Vale lembrar que a base em alta do Verdão tem se tornando mais recorrente desde a temporada passa e, neste 2021, tornou-se ainda mais assídua. Há duas semanas, contra o São Bento, empate por 1 a 1 pelo Campeonato Paulista, o Verdão mandou sete Crias da Academia a campo: o goleiro Vinicius Silvestre, o lateral Gustavo Garcia, o zagueiro Renan, os meio-campistas Patrick de Paula e Danilo, e os atacantes Lucas Esteves (lateral de origem) e Rafael Elias. Naquela oportunidade, já havia sido um recorde do século aquele número abundante de jogadores da base na mesma escalação inicial, pois, a última vez que o Verdão havia mandado sete a campo, todos oriundos da base palmeirense, foi em 2000 (portanto, último ano do Século XX oficialmente). Na ocasião, empate por 1 a 1 com o Rio Branco, começaram jogando: Gilvan (goleiro), Taddei, Thiago Matias, Ferrugem, Paulo Assunção e Juliano.

Já a vez mais recente que o Verdão começou com pelo menos seis em campo – exceto nesta era abundante de Crias da Academia promovidas em 2021 -, foi contra o São Caetano, há um mês, pelo Campeonato Paulista 2021 (vitória por 3 a 0): iniciou a partida com o goleiro Vinicius Silvestre, o zagueiro Renan, o lateral Lucas Esteves, e com os meio-campistas Patrick de Paula, Danilo e Gabriel Menino. Antes disso, a última vez que o Alviverde havia iniciado com seis Crias da Academia foi em 28/09/2014, quando foi superado para o Figueirense por 3 a 1, fora de casa, pelo Campeonato Brasileiro – os jogadores formados no Maior Campeão do Brasil que estavam no time inicial naquele dia eram: Deola, João Pedro, Gabriel Dias, Nathan, Victor Luis e Renato.

Essa geração vem quebrando diversas marcas. Outras que podem ser relembradas foi quando 19 jogadores da base foram relacionados para a mesma partida. Foi naquele mesmo jogo contra o São Bento, no qual mandou sete titulares a campo (recorde superado hoje). Na ocasião, o Palmeiras relacionou 19 jogadores formados em suas categorias de base na partida contra o São Bento, pelo Paulista, um recorde no século 21: foram chamados os goleiros Vinicius Silvestre e Mateus, o lateral-direito Gustavo Garcia, os zagueiros Henri e Renan, os laterais-esquerdos Victor Luis, Lucas Esteves e Vanderlan, os meio-campistas Danilo, Patrick de Paula, Gabriel Menino, Fabinho, Ramon e Vitinho e os atacantes Pedro Acácio, Giovani, Gabriel Silva, Rafael Elias e Newton.

E não para por aí! Em todos os jogos desta temporada teve presença de pratas da casa. Ao todo, 14 foram a campo: Vinícius, Gustavo Garcia, Renan, Lucas Esteves, Victor Luis, Gabriel Menino, Danilo, Patrick de Paula, Fabinho, Gabriel Silva, Rafael Elias, Giovani, Wesley e Newton. Destes, quatro estrearam neste ano: Gustavo Garcia, Fabinho e Giovani, contra o Corinthians, e Newton, contra o São Bento.

No total, já foram convocadas 20 Crias da Academia para jogos nesta temporada. Destas, só não estrearam ainda o goleiro Mateus, o zagueiro Henri e os meio-campistas Ramon e Vitinho. Já os atacantes Marcelinho e Pedro Acácio ainda não jogaram em 2021.

 

A ascensão da base nesses tempos recentes começou no início da temporada 2020, na Florida Cup, temporada aquela que ficou marcada por ser a que mais teve pratas da casa convocadas neste século: 31. Destas, 18 entraram em campo (somando 283 jogos, um recorde no século), sendo que 13 estrearam (outro recorde do século): na ordem, Patrick de Paula, Gabriel Menino, Wesley, Alan, Angulo, Gabriel Silva, Danilo, Renan, Aníbal, Marcelinho, Fabrício, Pedro Acácio e Vanderlan – juntos, eles somaram 220 jogos e fizeram da temporada 2020 a que o Palmeiras mais colocou jovens estreantes da base para atuar neste século. E 2021 vem forte no quesito, com tudo para atualizar a marca.

Na temporada passada, o Verdão teve pelo menos uma prata da casa em campo em todas as partidas das caminhadas rumo aos títulos da Libertadores, da Copa do Brasil, do Campeonato Paulista e da Florida Cup. Mais do que isso: dos 79 jogos disputados na temporada, em apenas uma não houve uma Cria da Academia, contra o Grêmio, pelo Brasileiro. Contra o Delfín-EQU, pelas oitavas de final da Libertadores 2020, os 11 suplentes foram oriundos do Centro de Formação de Atletas do Verdão, feito inédito na história do clube.

Departamento de Comunicação

Com a final da Copa do Brasil contra o Grêmio agendada para o próximo domingo (07), o Palmeiras foi a campo no clássico desta noite contra o Corinthians, na Neo Química Arena (empate por 2 a 2), com time alterativo e abriu espaço para que Crias da Academia pudessem aparecer. Como consequência, o técnico Abel Ferreira promoveu a estreia de três jogadores que atuaram profissionalmente pela primeira vez: o lateral-direito Gustavo Garcia, o meio-campista Fabinho e o atacante Giovani. Todos eles entraram no segundo tempo. Além disso, o duelo marcou a reestreia de dois velhos conhecidos da torcida do Palmeiras: o lateral-esquerdo Victor Luis, que estava emprestado ao Botafogo-RJ, e o atacante Rafael Elias.

O primeiro dos jovens estreantes a entrar em campo foi Gustavo Garcia, de 19 anos. Campeão do mundo com a Seleção Brasileira Sub-17 em 2019, o lateral-direito é mais um dos nomes da geração vencedora pelo Palmeiras nascida em 2002. Assim como outros companheiros de clube nessa faixa etária, Garcia é multicampeão pela base e, além da Copa do Mundo, também fez parte direta das conquistas do bicampeonato mundial de clubes Sub-17 (2018 e 2019), dos Paulistas Sub-15 (2017) e Sub-17 (2018), da Copa do Brasil Sub-17 (2019) e da Supercopa Sub-17 (2019), além de outros títulos internacionais. Na temporada passada, pelo Sub-20, foram 21 jogos e um gol marcado.

“Primeiramente, quero agradecer a Deus, aos meus familiares e a quem sempre esteve comigo. Acho que não só o meu sonho, mas como o deles também. A gente se sente realizado por uma parte. Claro que Deus tem muito para mostrar para a gente ainda. Mas, eu, com 19 anos, estou muito feliz. Senti muito frio na barriga… Acho que é normal em um jogador jovem (risos). Estrear em um Derby. Em um jogo como é Corinthians e Palmeiras e sua grandeza. E eu só tenho a agradecer a Deus por esse momento e a todos os profissionais do Palmeiras por acreditar nesse trabalho”, disse ao Site Oficial o jovem lateral, que entrou no lugar de Willian aos 24 do segundo tempo.

Já o segundo estreante foi Fabinho, de 18 anos, que entrou no lugar de Gabriel Menino, aos 35. Um dos nomes da talentosa geração de atletas nascidos em 2002 do Alviverde, o volante foi relacionado pela primeira vez para um jogo do time profissional. No Verdão desde 2015, Fabinho acumula diversas conquistas pelo clube, como o bicampeonato mundial de clubes Sub-17 (2018 e 2019), os Paulistas Sub-15 (2017), Sub-17 (2018) e Sub-20 (2020), a Copa do Brasil Sub-17 (2019) e a Supercopa Sub-17 (2019), além de outros títulos internacionais. Na temporada 2020, pelo Sub-20, foram oito jogos, sendo seis como titular.

“Muito feliz por essa oportunidade, por essa estreia. Só agradecer a Deus, aos meus familiares e a todos os meus amigos que estiveram do meu lado este tempo todo. É a realização de um sonho. Eu passei por momentos muitos difíceis nestes últimos dois anos. Tive lesões e perdi meu pai, que sempre foi o meu maior incentivador. Mas tenho certeza que ele está muito orgulhoso pela minha estreia. Pelo maior sonho dele que sempre foi. Cheguei no Palmeiras com 13 anos e, hoje, com 18, estou fazendo a minha estreia. Um grande clube. Ainda mais estrear em um clássico, que é melhor ainda, mais grandioso. Então fico muito feliz e honrado de estar vestindo essa camisa, de estar tendo essa oportunidade. Preciso agradecer a todas as pessoas que me ajudaram e trabalharam comigo pra eu chegar nesse objetivo. Se Deus quiser, é só o começo de um sonho, e vamos por mais!”, declarou o jogador ao Site Oficial, emocionado.

O último estreante da noite foi o atacante Giovani, que entrou aos 40 minutos do segundo tempo na vaga de Gustavo Scarpa. Ele foi o atleta mais jovem entre os inscritos pelo Palmeiras no título da Libertadores de 2020. O atacante de 17 anos e três meses também foi relacionado pela primeira vez para um jogo do time profissional.

Artilheiro geral da base do Verdão em 2020 com 14 gols em 13 jogos pelo Sub-17, Giovani é visto como um dos grandes talentos da geração 2004 e já soma mais de 100 gols pelo clube desde sua chegada ao Sub-11, em 2015. Ele, inclusive, já atuou em partidas pelo time Sub-20 (foram quatro em 2020).

“Estou muito feliz pela estreia. É um sonho de criança sendo realizado. Não tenho explicações para dizer o que estou sentido agora. Infelizmente a gente não conseguiu sair com a vitória, mas a nossa equipe fez uma ótima partida. Falando da estreia novamente, estou muito feliz, ainda mais por ser um grande clássico, poder entrar em campo e ajudar a equipe de alguma maneira. Isso me faz muito feliz já! Espero ter mais oportunidades para conseguir mostrar o meu futebol e ajudar a equipe de alguma forma”, declarou o atacante de 17 anos em entrevista exclusiva ao Site Oficial.

DERBY TAMBÉM MARCA REESTREIA DE VELHOS CONHECIDOS

Rafael Elias, assim como Victor Luis, reestrearam com a camisa do Maior Campeão do Brasil.

Revelado na base do clube, Rafael Elias subiu no ano de 2018 (à época conhecido como Papagaio) e havia feito oito partidas. Nesta noite, após empréstimo ao Atlético-MG, onde teve problemas com doping após tomar remédio para emagrecer, Rafael Elias entrou aos 26 minutos do segundo tempo, no lugar de Gabriel Silva, ajudando a renovar o fôlego do ataque.

“É um grande recomeço, tenho de agradecer a Deus. Um recomeço, agradeço ao Palmeiras pelo suporte que deu, ao Abel, me ajudaram nos 14 meses que fiquei parado. Voltei num Derby, não era o resultado que a gente queria, agora é focar na final da Copa do Brasil para a gente sair campeão. Tivemos nossa oportunidade, a garotada aproveitou bem, poderia ter saído com resultado positivo. Fui pai, um recomeço, espero voltar a fazer os gols da base e ajudar a equipe”, declarou o jogador na saída de campo, ao término do duelo.

Já Victor Luis tem mais de 17 anos no Palmeiras (chegou ao clube com 11 anos) e passou por todas as categorias de base possíveis. O jogador se profissionalizou em 2014 e além do Brasileiro 2018, ele também participou das conquistas da Copa do Brasil 2015 e do Campeonato Paulista de 2020. O atleta soma 114 partidas pelo Palmeiras, sendo 95 como titular, além de ter marcado três gols.

Ao todo, foram 16 oriundos da base do Verdão relacionados para a partida contra o Corinthians desta noite, sendo que, destes, 11 entraram em campo (Vinicius Silvestre, Gabriel Menino, Renan, Lucas Esteves, Danilo, Gabriel Silva, Gustavo Garcia, Victor Luis, Fabinho, Giovani e Rafael Elias) e cinco permaneceram no banco (Vanderlan, Vitinho, Ramon, Marcelinho e Henri).

ESTREANTES EM CLÁSSICO NO ATUAL ELENCO

Do atual elenco palmeirense, tiveram a oportunidade de estrear em um clássico o meio-campista Gustavo Scarpa, diante do Santos, em 04/02/2018, pelo Paulistão daquele ano (vitória por 2 a 1); o lateral-direito Mayke, contra o São Paulo, no Morumbi, em 27/05/2017 (revés por 2 a 0); o atacante Rony, diante do Santos, em 29/02/2020, pela 8ª rodada do Campeonato Paulista (empate por 0 a 0); e o atacante Gabriel Silva, que na noite de hoje marcou seu primeiro gol como atleta profissional, em 23/08/2020, contra o Santos, pelo Brasileiro (vitória por 2 a 1).

ÍDOLOS HISTÓRICOS QUE ESTREARAM EM CLÁSSICOS

Dentre os atletas de maior destaque ao longo dos 106 de história da agremiação palestrina, destacam-se 20 nomes que tiveram o mesmo privilégio repetido por Garcia, Fabinho e Giovani nesta noite: realizar sua primeira partida no profissional do Verdão em um clássico.

O primeiro dessa galeria de ídolos a estrear em um clássico foi Serafini, em 15/04/1923, com vitória do então Palestra Italia por 1 a 0 sobre o Corinthians, na Chácara da Floresta, pelo Torneio Início do Campeonato Paulista.

Depois de Serafini, vieram outros relevantes: Romeu Pellicciari, Tunga, Zezé Procópio, Lima, Echevarrieta, Valdemar Carabina, Julinho Botelho, Ademir da Guia, Djalma Dias, Dudu, Gallardo, Servílio, Tupãzinho, Rinaldo, Gildo, Nei, Rosemiro, Zinho e Arce. Todos estreantes em jogos contra um dos três principais rivais do Verdão.

Confira a relação completa de ídolos que estrearam em clássico (ordem cronológica):

Serafini – Palestra Italia 1×0 Corinthians (15/04/1923)
Romeu Pellicciari – Palestra Italia 4×0 Corinthians (24/08/1930)
Tunga – Palestra Italia 2×1 Santos (10/04/1932)
Lima – Palestra Italia 2×1 São Paulo (27/10/1938)
Echevarrieta – Palestra Italia 2×1 São Paulo (02/07/1939)
Zezé Procópio – Palestra Italia 3×2 Santos (09/05/1942)
Valdemar Carabina – Palmeiras 4×3 Santos (27/05/1954)
Julinho Botelho – Palmeiras 4×3 São Paulo (26/06/1958)
Gildo – Palmeiras 1×1 São Paulo (18/03/1961)
Ademir da Guia – Palmeiras 3×0 Corinthians (22/02/1962)
Djalma Dias – Palmeiras 1×2 São Paulo (13/02/1963)
Servílio – Palmeiras 1×2 São Paulo (13/02/1963)
Dudu – Palmeiras 1×2 Santos (11/04/1964)
Tupãzinho – Palmeiras 1×2 Santos (11/04/1964)
Rinaldo – Palmeiras 1×2 Santos (11/04/1964)
Gallardo – São Paulo 2×4 Palmeiras (09/10/1966)
Nei – Palmeiras 4×0 Santos (15/01/1972)
Rosemiro – São Paulo 0x0 Palmeiras (08/02/1976)
Zinho – Palmeiras 1×0 Santos (10/10/1992)
Arce – Palmeiras 4×2 Corinthians (24/01/1998)