Departamento de Comunicação

Depois de ser superado por 1 a 0 pelo Tigres-MEX na semifinal, o Palmeiras agora volta todas as suas atenções para o jogo contra o Al Ahly-EGI, nesta quinta-feira (11), ao meio-dia, em Doha, no Catar, duelo que definirá o terceiro colocado da Copa do Mundo de Clubes da FIFA 2020. Em entrevista coletiva nesta quarta (10), o técnico Abel Ferreira e o goleiro Weverton projetaram o encontro com o rival do Egito.

“É uma oportunidade que temos de mostrar a nossa forma de jogar, a cultura brasileira. Perceber que, quando se joga em jogos como contra o Tigres, que está em disputa a vaga na final, é normal que o emocional não esteja tão tranquilo para dar o nosso melhor em termos técnicos, às vezes a ansiedade tira a forma de tirar boas decisões. O Al Ahly é o segundo time com mais presenças no Mundial, desde agosto eles não perdiam um jogo. É um time que tem jogadores com muita qualidade técnica. Os dois times têm futebol propositivo, querem assumir o controle do jogo. Temos condições de fazer um bom espetáculo”, declarou Abel. “A mim, sempre ensinaram que é melhor ficar à frente do que atrás. Lutaremos pelo terceiro lugar. Não era o que queríamos, mas é pelo que lutamos”, completou.

O técnico Abel Ferreira projetou o duelo com o Al Ahly (Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

O comandante acredita em um duelo parelho no Education City Stadium. “Posso dizer que (o Al Ahly) é um time que defende em bloco médio, que com a bola gosta de assumir o jogo e controlar. Mas não é o que o adversário faz, é o que nós como time conseguimos impor. É a nossa competência de atacar contra a do adversário de defender e vice-versa. Há equipes que têm uma probabilidade maior de ganhar, mas quem tem menos pode apostar tudo em uma só. São dois times que se equivalem”, afirmou.

O goleiro Weverton também fez questão de expor a determinação do Verdão para conquistar o terceiro lugar no Mundial de Clubes. “Não era o que queríamos, mas é onde estamos. Entraremos em campo para fazer o melhor e vencer. As coisas não saíram bem, mas jogamos para vencer todos os jogos. O Palmeiras sempre joga para vencer e não será diferente amanhã (quinta). Vamos em busca da vitória para voltar ao Brasil e seguir na temporada”, disse o arqueiro, exaltando os feitos do clube na temporada 2020.

“O Palmeiras sempre joga para vencer e não será diferente amanhã”, destacou o goleiro Weverton (Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

“O Palmeiras foi o melhor time da América do Sul, e foi isso que nos trouxe até aqui, isso nos dá orgulho. Quando as coisas não saem bem, a gente fica triste, mas jamais esqueceremos o que nos trouxe até aqui. Foi algo bom, vitorioso e continuaremos fazendo. O que podemos tirar de lição é o que nos trouxe até aqui, o título da Libertadores. Todas as equipes que estão aqui foram campeãs”, concluiu o palmeirense.

Depois de encarar o Al Ahly-EGI pela Copa do Mundo de Clubes da FIFA, o Palmeiras retorna ao Brasil para dar sequência à disputa do Campeonato Brasileiro. No domingo (14), às 18h15, o time comandado pelo português Abel Ferreira enfrenta o Fortaleza, no Allianz Parque, pela 36ª rodada do Nacional.

Departamento de Comunicação

No Catar para a disputa da Copa do Mundo de Clubes da FIFA 2020, o Palmeiras segue se preparando para o duelo deste domingo (07), às 15h, contra o Tigres-MEX, no Education City Stadium, em Doha, pela semifinal do principal torneio entre clubes do planeta. Em entrevista coletiva neste sábado (06), o zagueiro Gustavo Gómez projetou o primeiro compromisso do Verdão na competição.

“Creio que será um jogo disputado, são dois times grandes. Trataremos de mostrar a nossa força amanhã (domingo). O Tigres é um time muito grande e forte, mas faremos todo o possível para ter um resultado positivo”, declarou. “Creio que será difícil, mas estamos preparados. Marcaremos grandes atacantes, assim como fizemos no Brasileirão, e temos atacantes muito bons. Conhecemos o Gignac (atacante do Tigres) e estamos prontos e preparados para este desafio”, emendou.

O paraguaio pretende fazer história com o manto palestrino no Mundial. “Somos Palmeiras e faremos todo o possível para alcançar o nosso sonho. Por isso estamos aqui, daremos tudo o que podemos para conseguir este título tão sonhado para o Palmeiras. Seria muito lindo”, afirmou o defensor, comentando também sobre o país-sede da Copa do Mundo de Clubes da FIFA 2020.

“Pareceu um país lindo (Catar), estão preparando da melhor forma para o Mundial e tomara que eu esteja com o Paraguai aqui (na Copa do Mundo de Seleções, a ser realizada em 2022, no Catar). Meus parabéns à organização por toda a estrutura que nos dão”, concluiu Gómez.

O zagueiro Gustavo Gómez foi o capitão do Verdão na final da Conmebol Libertadores e levantou a taça ao lado de Felipe Melo (Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

Departamento de Comunicação

Comandante do Palmeiras na conquista do tão cobiçado título da CONMEBOL Libertadores 2020, o técnico Abel Ferreira agora mira um desafio ainda maior pelo Verdão: levantar o troféu da Copa do Mundo de Clubes da FIFA. Neste domingo (07), às 15h, o Alviverde enfrenta o Tigres-MEX, no Education City Stadium, em Doha, no Catar, pela semifinal do torneio.

“Vamos impor a nossa forma de defender e de atacar dentro de campo. Eles têm muita qualidade, um potencial tremendo, com grandes jogadores e um grande time. Quando não tivermos a bola, temos de tampar os caminhos para a baliza. Com a bola, temos de jogar com a coragem”, disse o treinador. “Cada um tem de entrar amanhã (domingo) e dar o seu melhor, jogar no alto nível. Por mais que eu estude, nunca sei o que o adversário vai fazer, cada jogo tem uma história. Mas, no fim, fica a nossa identidade e qualidade como equipe”, completou, citando a importância de ter muita determinação no duelo com os mexicanos.

O técnico Abel Ferreira concede entrevista coletiva após reconhecimento do campo no no Education City Stadium (Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

“Quando falamos de futebol brasileiro, falamos do talento. Do mexicano, do uruguaio, é raça, atitude, querer. Isso que queremos juntar: raça, talento e atitude misturados. Por isso os sul-americanos se dão bem. Não basta ser bom tecnicamente, é preciso dividir”, declarou.

Abel também valorizou o fato de o Palmeiras estar no principal campeonato entre clubes do mundo. “O grande desafio dos jogadores é ser a melhor versão de cada um deles, aproveitar esta oportunidade. Não sei voltaremos aqui um dia, mas eu aproveitarei cada momento como técnico e passarei isso pra eles também. Estamos aqui por direito próprio”, finalizou Abel.

Departamento de Comunicação

O técnico Abel Ferreira durante coletiva de imprensa no Maracanã. (Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

A um dia da grande decisão da Conmebol Libertadores, que será disputada neste sábado (30), às 17h, contra o Santos, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro-RJ, o técnico Abel Ferreira segue se preparando para um dos jogos mais importantes da história do Palmeiras. Em entrevista coletiva nesta sexta-feira (29), no local do jogo, o comandante português comentou sobre a finalíssima com o time alvinegro.

“Cada jogo tem uma história diferente, e eu farei o que sempre fiz em todos os jogos. Temos de preparar todos os jogadores, estar atento aos detalhes, seguir os mesmos rituais e acreditar nos protagonistas, que são os jogadores. Amanhã (sábado), mais do que nunca, temos de focar primeiramente em nós. Temos de ser fieis à nossa identidade e à nossa forma de atacar e de defender. Independentemente de como o adversário jogará, ficará a nossa identidade”, declarou o treinador, que não pretende alterar o estilo de jogo do Verdão no confronto decisivo deste fim de semana.

“Estamos aqui por conta dos jogos que fizemos. Não alteraremos a forma de pensar, a equipe que acreditamos nos trouxe até aqui. É midiático, é a primeira vez que tenho tantos jornalistas na minha frente. É diferente de um jogo normal, recebi mensagens de várias pessoas, mas nós, que somos profissionais, temos de ter o mesmo foco. Eu prefiro sentir toda essa emoção, ansiedade, do que estar em casa no sofá vendo as finais. Estamos aqui por méritos próprios, temos de desfrutar e viver isso com alegria, intensidade e prazer. Temos de fazer um jogo com prazer e equilibrados”, afirmou. “É um jogo único, mas o nosso objetivo, além de chegar à final, é chegar e ganhar”, emendou.

A taça da Libertadores pode ser, inclusive, a primeira da carreira de Abel Ferreira. “É uma oportunidade única, um desafio, uma emoção, um prazer e uma honra poder estar aqui hoje e amanhã disputar um título. O Maracanã significa isso para mim, o templo do futebol”, falou. “É a junção do talento, da sabedoria e da garra. Tenho certeza de que amanhã Portugal será do Palmeiras. É verdade que já teve um treinador que atravessou o Atlântico e abriu as portas para nós (treinadores portugueses), isso eu não esqueço”, completou.

Já sobre a possibilidade de utilizar Felipe Melo desde o início do embate, Abel foi direto. “Tenho sido honesto na comunicação feita com vocês, e o Felipe é o jogador mais titular do Palmeiras. Ele tem uma experiência grande, uma vibração enorme, ajuda dentro e fora do campo, e seguramente nos ajudará muito amanhã. Se será no início ou no decorrer do jogo, decidirei depois. Ele é um colecionador de títulos e, no que depender de mim, faremos de tudo para ter mais um”, concluiu o técnico.

‘O Maracanã significa isso para mim, o templo do futebol’, revelou o técnico português (Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

Departamento de Comunicação

Titular em todas as partidas do Palmeiras na Conmebol Libertadores 2020, Gustavo Gómez tem sido um dos pilares do time comandado pelo técnico Abel Ferreira, e não será diferente na grande final deste sábado (30), às 17h, contra o Santos, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro-RJ. Nesta sexta-feira (29), no local da partida, o zagueiro falou com os jornalistas sobre a emoção de participar da decisão do principal torneio de clubes das Américas.

“É um orgulho jogar uma final de Libertadores, é o sonho de cada jogador e poucos conseguem chegar à final. Quando eu cheguei aqui (ao Palmeiras), era o meu maior sonho conquistar uma Libertadores. Obviamente trato de fazer o meu melhor pelo meu país também, é um orgulho ser paraguaio. O Arce já fez história aqui, quero fazer também”, declarou o defensor, citando o compatriota Arce, que conquistou a Libertadores de 1999 com o Alviverde.

O técnico Abel Ferreira e o zagueiro Gustavo Gómez (à direita) durante coletiva de imprensa (Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

“Estamos trabalhando e descansando bem para fazer um grande jogo. A ansiedade está aí, mas também temos de desfrutar o momento. É um momento único, poucos jogadores conseguem jogar a final da Libertadores. Tem pressão, ansiedade, mas a gente está desfrutando este momento”, falou. “O nosso time está preparado, estamos há alguns dias nos preparando para o jogo de amanhã. Estará quente, mas estamos nos hidratando, todos estão bem. Se Deus quiser, faremos um grande jogo”, completou.

Sobre a falta de torcedores no Maracanã, Gómez mostrou compreensão com o atual momento do mundo devido à pandemia de Covid-19. “Como todo mundo sabe, o melhor é ficar em casa e não fazer aglomeração. Não é o momento, temos de aceitar isso. Será uma final diferente, estamos mentalizando, focados. O nosso sonho está em 90 minutos”, concluiu o paraguaio.

A coletiva desta sexta-feira (29) foi no estádio do Maracanã (Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

Departamento de Comunicação

Weverton foi eleito o melhor da partida no duelo com o River Plate-ARG (Foto: Staff Images/Conmebol)

Destaque do Palmeiras no segundo jogo da semifinal com o River Plate-ARG, na terça-feira (12), Weverton vive grande fase no clube. Nesta quinta-feira (14), em entrevista coletiva virtual, o goleiro falou sobre seu momento e sua atuação no jogo decisivo pela Conmebol Libertadores.

“Eu fico feliz de estar sempre vendo meu nome ser vinculado entre os melhores. Isso me dá muito orgulho. Você olha e vê que seu trabalho, todo seu esforço, toda sua dedicação, está valendo a pena. Me dedico muito, sou extremamente profissional naquilo que faço, sempre procuro melhorar o que precisa ser melhorado. Poder viver momentos assim é muito especial. Isso me motiva a trabalhar cada vez mais para me manter nessa posição. O que é importante não só por mim mas principalmente pelo Palmeiras”, disse o camisa 21.

Atleta que soma mais minutos em campo na temporada atual (5591), Weverton atuou em 58 dos 63 jogos do Palmeiras em 2020/21 e, neste quesito, só perde para Willian, presente em 59 dos 63 compromissos do time alviverde. Ele também é quem mais acumula minutos no Brasileirão, com 1978 ao todo, na Copa do Brasil, com 493, e na Libertadores, com 1165.

“Essa temporada foi diferente de todas. E nos temos nos preparado para ela de maneira diferente. Tenho procurado ficar mais em casa, me alimentar melhor, dormir melhor. Tenho em casa os equipamentos para fazer minha recuperação. Não é só aqui no clube, temos que aproveitar o tempo que estamos em casa para fazer a recuperação. Se o treinador me der essa opção, óbvio que quero estar sempre jogando. É cansativo, mas é prazeroso, pois os nossos objetivos estão sendo alcançados”, celebrou.

Abel Ferreira

Após a partida, uma imagem de um abraço do técnico Abel Ferreira em Weverton ganhou destaque na mídia e entre os torcedores. Para o goleiro, aquele foi um gesto que demostrou a sensação de dever cumprido e a união do elenco e comissão técnica. “Tínhamos uma missão de chegar à decisão. Quem vive o nosso dia a dia sabe o quanto a gente queria viver esse momento. Foi um abraço agradecimento por todo o esforço. Aqui a gente joga junto. Acho que representa não só o abraço dele, mas o abraço de todos os jogadores, de todos os palmeirenses, de todos os envolvidos na partida. Foi até engraçado, meu irmão, que estava no Acre, falou que queria ter me dado o abraço que o Abel me deu”, contou.

“O Abel é um cara que admiro por muitas coisas. Ele é muito profissional, muito positivo, o que mais me chama a atenção é a positividade dele. Ele está sempre motivando a equipe, sempre concentrado. Ele pede muita concentração, foco naquilo que temos que fazer, diz que nada mais importa para nós a não ser aqueles 95 minutos. ‘É focar nas vossas tarefas’, como ele fala, ‘focar na baliza zero’. O elenco tem aprendido muito com ele, é um treinador que tem coisas muito interessantes pra passar para nossa carreira e para nossa vida. Os resultados não são à toa”, destacou Weverton sobre o trabalho do técnico português.

O goleiro Weverton e o técnico Abel Ferreira comemoram classificação à final da Conmebol Libertadores (Foto: Staff Images/Conmebol)

Camisa 12

As boas atuações têm impressionado até mesmo os ex-arqueiros da Academia de Futebol. Após a classificação do Verdão à final, o ex-goleiro Marcos, ídolo alviverde e campeão da Libertadores pelo clube em 1999, ofereceu à Weverton a camisa 12, aposentada em sua homenagem. “É um orgulho imenso vestir a camisa alviverde. O Palmeiras sempre teve tradição com os goleiros e poder estar representando esse time hoje é algo muito importante para mim. Ver o Marcos, meu grande ídolo, me oferecer uma camisa histórica para ele foi emocionante”, afirmou.

“Respeito muito o Marcos, por tudo que ele fez vestindo essa camisa. Não foi só a Libertadores, foi uma vida inteira dedicada a esse clube. Na minha opinião, nada mais justo que a 12 seja aposentada para sempre. Quem sabe eu não possa aposentar a camisa 21? Escolhi a camisa 21 justamente por isso, por ser 12 ao contrário. Seria muito especial para mim, quando encerrar minha carreira, e eu espero encerrar aqui no Palmeiras, poder aposentar a 21, assim como ele fez”, completou Weverton.

Final no Maracanã

O goleiro também projetou a grande decisão contra o Santos, que será disputada em jogo único no dia 30 de janeiro, no Estádio do Maracanã. “Tenho certeza que o Abel está estudando, analisando o adversário e que vai nos preparar bem para o jogo. O bom de ser uma final entre times brasileiros é que nos conhecemos melhor. Nossos jogadores conhecem muito bem os do Santos, assim como eles nos conhecem muito bem. Vai ser uma partida muito bem estudada”, disse. “A gente espera poder fazer o melhor jogo da nossa vida”, acrescentou o camisa 21.

Ele ainda falou sobre sua ligação com o palco da final. Em 2016, Weverton conquistou no Maracanã a medalha de ouro com a Seleção Brasileira nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

“Vivi um momento muito especial da minha vida dentro do Maracanã. Talvez tenha sido esse momento que me permitiu chegar aqui hoje, me permitiu ter continuidade na Seleção. O sentimento de voltar ao Maracanã nesta grande final de Libertadores é algo até difícil de explicar.  É um estádio que vai ficar eternizado na minha vida para sempre. Espero que possamos ter o mesmo final feliz”, finalizou.

Departamento de Comunicação

Uma das revelações das categorias de base do Palmeiras nesta temporada, o volante Danilo tem ganhado cada vez mais espaço entre os titulares do Verdão. Desde que foi promovido pela comissão técnica palestrina, o jovem de 19 anos atuou em 16 dos últimos 23 jogos do clube, sendo titular em cinco deles – inclusive, na vitória por 3 a 0 sobre o Athletico-PR, no sábado (28), pelo Campeonato Brasileiro. O camisa 28 não esconde a satisfação com o atual momento no time.

“Depois desta sequência que eu tive, as pessoas me veem na rua e pedem para tirar foto (risos). Foi um impacto muito grande, não só para mim como para todos os meus familiares”, disse. “Foi muito bom para nós, da base, que tivemos oportunidades. É um sonho nosso, graças a Deus estamos trabalhando no dia a dia e podemos evoluir a cada dia e a cada jogo”, completou.

 

O palmeirense contou também que se espelha bastante nos atletas mais experientes da equipe. “Todos os dias, desde que eu subi, eu venho evoluindo e desfrutando ao máximo os treinos com os jogadores experientes, que sempre passam muitas informações”, afirmou Danilo, exaltando o trabalho realizado pelo técnico Abel Ferreira.

“Ele chegou e nos ajudou bastante, tanto individualmente quanto coletivamente. Ele sempre chama alguém para conversar individualmente no fim do treino, e isso tem dado confiança para a equipe fazer um bom Campeonato Brasileiro, uma boa Copa do Brasil e uma boa Libertadores”, falou. “São treinos bons e bastante intensos. A intensidade que ele pede no treino é a mesma que ele pede no jogo. Em todos os treinos, ele quer que dê 100% para chegarmos ao jogo e fazermos uma boa partida para sair com a vitória”, concluiu. 

Trajetória de Danilo no futebol

Meio-campista versátil que atua na contenção e na armação de jogadas, Danilo participou de alguns projetos sociais na sua cidade natal, Salvador (BA), e foi vice-campeão da segunda divisão do Campeonato Baiano pelo Cajazeiras, aos 16 anos, antes de chegar ao Palmeiras em 2018, quando foi captado para integrar o elenco Sub-17 e, naquela mesma temporada, já conquistou o título paulista da categoria. No Sub-20, o canhoto de 19 anos ganhou espaço ao final de 2019, contribuindo para a conquista de mais um título paulista. Foi ainda titular da equipe na Copa São Paulo deste ano, na qual disputou cinco jogos e marcou um gol.

O meio-campista Danilo concede entrevista coletiva virtual na Academia de Futebol (Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

Departamento de Comunicação

O atacante Breno Lopes, contratado junto ao Juventude-RS, foi apresentado oficialmente nesta segunda-feira (16), na sala de imprensa da Academia de Futebol, pelo vice-presidente do clube, Paulo Buosi. O dirigente palestrino deu as boas-vindas ao reforço palmeirense.

“O Breno já chegou chegando. Já jogou e ajudou a nossa equipe a conquistar uma importante vitória no Campeonato Brasileiro. Seja bem-vindo à Família Palmeiras e ao Maior Campeão do Brasil, que venham muitos gols, vitórias e títulos. Muito sucesso e Avanti, Palestra”, declarou.

O jogador de 24 anos, que respondeu perguntas enviadas pelos jornalistas, demonstrou muita satisfação por poder representar as cores do Verdão nas próximas quatro temporadas.“Foi tudo muito rápido e me tocou bastante. É um sonho de criança defender um clube como o Palmeiras, o Maior Campeão do Brasil, três Copas do Brasil, Libertadores… Na hora eu falei que queria vir para cá, foi tudo muito natural. Espero aproveitar da melhor maneira possível”, disse. “Encaro como uma oportunidade. Quando você joga pelo Palmeiras, você tem de ser bom todos os dias”, emendou o novo camisa 39 do clube, que já fez a sua estreia na vitória por 2 a 0 sobre o Fluminense, no último sábado (14), no Allianz Parque, pelo Campeonato Brasileiro.

 

“Eu joguei contra o CRB (no domingo, dia 8) e, chegando em Caxias (do Sul), o meu empresário me falou que o Palmeiras estava interessado. Foi tudo muito rápido, realizei exames, conheci o grupo e já estava em campo no sábado. Foi tudo muito rápido, mas estou feliz e espero honrar a camisa do Palmeiras da melhor maneira possível”, contou.

O atleta, inclusive, afirmou que não poupará esforços para contribuir com o Alviverde dentro das quatro linhas. “Sempre joguei como extremo pela esquerda, é onde eu me sinto à vontade, mas, se for para ajudar o Palmeiras, quero jogar em todas as posições. No Juventude, eu também joguei como centroavante. Quero ajudar da melhor maneira possível, independentemente da posição que eu jogar”, declarou. “Tenho velocidade, ajudo na recomposição e tenho boa finalização. Acho que esses são meus pontos fortes. Procurarei evoluir dia a dia para contribuir da melhor maneira possível”, completou, aproveitando a oportunidade para retribuir o carinho recebido pela torcida palestrina nas redes sociais.

“Quero agradecer o torcedor palmeirense. Desde que eu cheguei, eu tenho recebido várias mensagens de boas-vindas, falando que não pode faltar esforço e dedicação. Desde o começo da minha carreira é assim, sempre jogando com muita dedicação. É um orgulho grande, e a torcida palmeirense pode ter certeza de que serei mais um honrando esta camisa”, concluiu.

Breno Lopes foi apresentado por Paulo Buosi, vice-presidente do Verdão (Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

Departamento de Comunicação

O Palmeiras venceu o Ceará por 3 a 0, nesta quarta-feira (11), no Allianz Parque, no primeiro encontro com a equipe cearense pelas quartas de final da Copa do Brasil – o duelo de volta está marcado para o dia 18 de novembro, às 19h, em Fortaleza-CE. Bastante satisfeito com o rendimento do Verdão, o técnico Abel Ferreira analisou a atuação palestrina dentro da arena alviverde.

“Jogamos contra uma equipe que vinha de seis jogos sem perder, confiante e extremamente organizada. Sabíamos que seria um jogo difícil. Montamos uma equipe com dinâmica e intensidade, com uma transição rápida para encontrar espaços. Era a nossa intenção, entrar rápido e intenso, procurando fazer os gols o mais rapidamente possível. Conseguimos fazer três gols muito rapidamente”, declarou o comandante, que mostrou muita cautela com o futuro do time na competição, apesar do ótimo resultado.

“Falei para os jogadores que seria muito importante não tomar gols, e conseguimos concluir este objetivo. Estamos na primeira parte da eliminatória, nada está garantido. Temos de continuar alertas e com essa seriedade que mostramos hoje”, disse.

O treinador falou também sobre o grande número de desfalques para o embate contra o Ceará. “Nós perdemos oito jogadores, alguns foram por lesões. Eu disse aos jogadores que esta vitória de hoje deveria ser dedicada ao Wesley e ao Felipe Melo porque não poderemos mais contar com eles até o fim do ano, será difícil. Pedi para ter um esforço extra pelos dois. Os outros jogadores foram para a Seleção. Mas, mesmo quando passarmos por dificuldades, vocês não ouvirão desculpas. Olharemos para dentro e procuraremos soluções para termos uma equipe sempre competitiva a cada jogo. Independentemente de quem jogue, nós vimos que temos uma ideia de jogo”, comentou, rasgando elogios à atuação de Gustavo Scarpa na lateral esquerda do Verdão.

“Eu já tinha visto o Scarpa jogando na lateral com o Vanderlei Luxemburgo, mas eu não gosto de fazer alterações quando os jogadores não querem. Fiz um simples exercício e o Scarpa se colocou à disposição para ajudar a equipe em uma posição que não é de origem. E ele é muito bom nesta posição. Eu era fã do Roberto Carlos, da forma como cruzava, e nós já temos o Matías Viña, que é top para defender e tem intensidade. Agora temos alguém para dar um extra no aspecto ofensivo, ele tem o cruzamento muito acima da média. Nós até estávamos pensando em buscar outro lateral, mas, com essa vontade que ele mostrou hoje, perguntarei a ele se quer continuar na lateral porque tem futuro aqui e talvez na Europa”, concluiu.

O Palmeiras volta a campo no sábado (14), às 21h30, para enfrentar o Fluminense, no Allianz Parque, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Priscila Pedroso
Departamento de Comunicação

O Verdão apresentou oficialmente nesta segunda-feira (24) a meio-campista Camilinha e a zagueira Janaína Queiroz, na Academia de Futebol. Com uma vasta experiência fora do país e diversos títulos conquistados, as atletas esperam somar com o elenco alviverde e fazer história dentro do Palmeiras.

A zagueira Janaína destaca o que a fez escolher o Palmeiras. “O clube vem dando muito apoio ao futebol feminino. Esse foi o principal motivo na minha escolha. Também queria algo novo, pois não gosto de comodismo e, como já assistia aos jogos do Palmeiras, o estilo de jogo e o projeto do clube me cativaram muito”, destaca a atleta.

As jogadoras foram apresentadas na Academia de Futebol pelo diretor executivo Alberto Simão (à esquerda) (Fabio Menotti/Divulgação)

Camilinha tem a mesma opinião da companheira de equipe e ressalta a importância dos protocolos de segurança criados pelo clube. “Desde a minha chegada o clube tem feito um rígido acompanhamento. É nítido que a estrutura é muito boa”, diz a meio-campista que recebeu a camisa 9 das mãos do diretor de futebol feminino do Palmeiras, Alberto Simão, e que promete garra e determinação.

Um dos principais assuntos durante a apresentação foram os elogios ao estilo de jogo adotado pelo técnico Ricardo Belli. “Não existe uma posição fixa, ele é dinâmico, trabalha com várias formações e eu sou polivalente”, destaca Camilinha, atleta que atua como meio-campista e lateral-esquerda. Jana também explica que esse é um processo novo para o futebol brasileiro, que tem evoluído taticamente.

Com passagens pelo futebol europeu, as atletas esperam trazer experiência ao elenco alviverde. “A Camilinha de cinco anos atrás é totalmente diferente. Evoluí profissionalmente e pessoalmente e tive a oportunidade de jogar com grandes atletas, como a Marta. Sou grata ao Orlando Pride (EUA), pois eles apostaram no meu potencial. Voltei para o Brasil querendo mostrar todo esse aprendizado”, conta a atleta.

Camilinha recebeu a camisa nove na apresentação (Fabio Menotti/Palmeiras)

“Também amadureci muito, é uma experiência muito grande para as atletas de futebol. Aprendi muito sobre a inteligência e a carga no futebol, isso é nítido na Europa, e quero impor isso no Palmeiras”, diz Jana, que valoriza a qualidade da defesa do Verdão e promete se dedicar para buscar espaço na equipe titular.

As jogadoras, que já estão integradas ao elenco alviverde, podem estrear neste sábado (29), às 15h, diante da Ponte Preta. Essa será a primeira partida das Palestrinas após a pausa do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino da Série A1.

Carreira das jogadoras

Nome constante nas convocações da técnica Pia Sundhage, Camilinha começou a carreira no futsal. Em 2012, a atleta passou para o campo e, desde então, construiu uma carreira vitoriosa no Brasil e atuando em uma das ligas mais fortes do mundo: a dos Estados Unidos. A atleta disputou as Olimpíadas Rio 2016 e também participou da última Copa do Mundo da modalidade, em 2019, na França.

Experiente, a zagueira Janaína esteve em Portugal nas últimas três temporadas e se transformou em um dos pilares da equipe do Braga. Multicampeã, ela coleciona campeonatos como a Libertadores, Campeonato Paulista, Copa do Brasil, Mundial de Clubes e Campeonato Nacional de Portugal. A atleta também teve passagens e títulos pela Seleção Brasileira, tanto na principal, quanto nas categorias de base.

Menino, Patrick e Veron celebram evolução e chance na Libertadores: ‘Sonho de criança’

Thiago Kimori
Departamento de Comunicação

Com o objetivo de dar mais oportunidades aos garotos das categorias de base, o Palmeiras promoveu os jovens Lucas Esteves, Alan, Gabriel Menino, Patrick de Paula, Gabriel Veron e Iván Angulo ao time profissional no início desta temporada. Com bom desempenho e rápida adaptação, três deles em especial ganharam destaque nos primeiros duelos do ano. Menino, Patrick e Veron, juntos, disputaram 2.299 minutos desde a primeira partida de 2020.

“É uma oportunidade de ouro, a gente vinha trabalhando para isso na base. Quando chegamos aqui, nós esperamos o tempo que foi preciso. Quando tivemos a oportunidade, aproveitamos da melhor maneira possível para ganharmos cada vez mais espaço”, afirmou Gabriel Menino, que já atuou como volante e lateral-direito na equipe comandada por Vanderlei Luxemburgo, inclusive no confronto com o Tigre-ARG, na Argentina, pela Copa Libertadores.

“Sempre foi um sonho de criança (jogar a Libertadores), um campeonato gigante que todos os clubes querem ganhar. Foi um sonho de criança estrear como titular. Foi improvisado, mas eu estava acostumado. Joguei assim na base. Agradeço pela oportunidade e estou aqui para o que o professor precisar”, disse o garoto.

Patrick de Paula, por sua vez, entrou na segunda etapa do embate contra o Guaraní-PAR, também pela competição sul-americana. A experiência foi inesquecível para o volante. “Estou muito feliz porque três anos atrás eu jogava na várzea. Jogar a Libertadores é muito bom. Quando entrei no jogo, fiquei bem à vontade, a minha mãe estava no estádio. Ela chorou bastante quando eu entrei. É dar continuidade para ter mais oportunidade”, contou o palmeirense, que já se sente totalmente adaptado ao elenco palestrino.

“Na base, a gente sacaneava todo mundo porque éramos os mais velhos, agora estão brincando com a gente aqui, mas com respeito (risos). O Jailson brinca bastante com a gente, todos brincam na resenha, sempre com respeito e dando moral para a gente”, revelou o camisa 5.

Gabriel Veron também teve a experiência de atuar pela Libertadores na partida contra Tigre-ARG. “Fico feliz pela oportunidade, principalmente por jogar uma Libertadores. Eu, com 17 anos, pude jogar pelo Palmeiras na Libertadores, fico feliz por isso. Tenho de trabalhar para a oportunidade acontecer”, declarou o jovem, que não poupou elogios ao comandante do Verdão.

“A experiência dele nos ajuda muito, ele nos dará muitos conselhos para subirmos na vida. A exigência dele é alta, ele cobra muito, e nós precisamos de pessoas assim para sempre dar o nosso melhor”, concluiu Veron.

Gabriel Veron, Gabriel Menino e Patrick de Paula (da esquerda para a direita) falaram com a imprensa após o treino da manhã desta quinta-feira (12)

Números de Gabriel Menino, Patrick de Paula e Gabriel Veron em 2020

Promovidos para o time profissional do Palmeiras nesta temporada, Gabriel Menino, Patrick de Paula e Gabriel Veron, juntos, disputaram 2299 minutos no ano.

Dentre eles, quem mais jogou foi Gabriel Menino, com um total de 668 minutos em dez jogos. O volante foi captado pela base do Palmeiras em 2017 e ajudou o Sub-17 a conquistar o título inédito da Copa do Brasil em seu primeiro ano no clube. Pelo Sub-20, decolou e recebeu várias convocações para a Seleção Brasileira da categoria – chegou a disputar o Sul-Americano de 2019. Tem a polivalência como característica e mostrou isso no profissional, já que atuou como lateral-direito nas partidas contra Mirassol, Guarani, Santos e Tigre-ARG.

Patrick de Paula disputou 350 minutos em oito partidas de 2020. O meio-campista foi captado pelo Palmeiras enquanto atuava no futebol amador do Rio de Janeiro em 2017 – chegou a disputar a Taça das Favelas e o Campeonato Carioca Amador. Fazia inicialmente a função de meia armador e assumiu o protagonismo da equipe Sub-20 quando passou a jogar mais recuado, como primeiro volante (já atuou até como zagueiro em algumas partidas).

Já Veron jogou por 469 em dez jogos na temporada. Ele está no clube desde o Sub-15 e ganhou títulos por todas as categorias da base em que jogou. Veloz, habilidoso e forte fisicamente, acumula prêmios individuais, tendo recebido os troféus de artilheiro e melhor jogador no Mundial de Clubes Sub-17 de 2018, vencido pelo Palmeiras, e a Bola de Ouro da Copa do Mundo Sub-17 de 2019, competição que conquistou com a Seleção Brasileira.

Logo em sua segunda partida pela equipe principal, a Cria da Academia balançou as redes duas vezes e concedeu uma assistência no duelo com o Goiás, pelo Campeonato Brasileiro do ano passado, tornando-se o segundo mais jovem atleta a marcar gol pelo Verdão, com 17 anos, três meses e dois dias, desbancando Mazzola, cujo gol de estreia em 1956 foi com 17 anos, seis meses e cinco dias – apenas Juliano, com 16 anos, 11 meses e 23 dias em 1998, está à frente no ranking.

Departamento de Comunicação
Thiago Kimori

Segundo reforço do Palmeiras para esta temporada, o atacante Rony foi apresentado oficialmente nesta quinta-feira (27), na Academia de Futebol. Ex-jogador do Athletico-PR, clube pelo qual foi campeão da Conmebol Sul-Americana (2018) e da Copa do Brasil (2019), o atleta de 24 anos não escondeu a satisfação por acertar com o Verdão até dezembro de 2024.

“Eu me sinto honrado por estar em um clube como o Palmeiras. Fico feliz, qualquer jogador gostaria de estar no meu lugar, é um dos gigantes do cenário brasileiro. É uma felicidade que chega a transbordar”, disse. “É uma sensação única. Eu acho que todas as crianças, quando querem ser jogador de futebol, almejam chegar a um clube grande. Eu não seria diferente, tenho de sonhar alto e almejar coisas grandes em minha vida. Quando eu comecei a jogar futebol, o meu sonho era jogar a Série A. Hoje já tive esse privilégio”, completou.

O novo camisa 11 palestrino recordou o período de negociação com o clube paulista. “A gente fica ansioso, mas eu ainda tinha contrato com o Athletico, o meu foco estava lá. A gente fica ansioso para que as coisas se resolvam da melhor maneira possível. Quero agradecer a toda diretoria e ao Anderson (Barros, diretor de futebol), que teve paciência para esperar praticamente dois meses. Sabíamos que na hora certa as coisas aconteceriam. Hoje estou feliz porque as coisas deram certo”, afirmou a contratação, citando o apoio recebido pela torcida nas redes sociais nas últimas semanas.

“Recebi um carinho imenso da torcida. Quero mandar um abraço a todos os torcedores, à Família Palmeiras. Antes mesmo de eu fechar com o Palmeiras, eles já se manifestaram nas redes sociais. Estou um pouco ansioso para estrear e mostrar o motivo da minha vinda. Quero honrar este manto”, declarou.

Rony também contou sobre os primeiros contatos com o elenco palmeirense ao longo desta semana. “Foi maravilhoso, eles me receberam muito bem. Alguns eu não conhecia, e o Veiga me apresentou. Já joguei com ele, é um excelente jogador e amigo. Ele está me dando força para conhecer a estrutura do clube, que é gigantesca. Ele procura me ajudar nesses aspectos. Alguns são mais brincalhões, como o Jailson. Fui bem recebido, estou feliz por causa disso também. Todos me receberam bem, desde comissão técnica, rouparia, diretores…”, revelou.

Por fim, o atacante se colocou à disposição para fazer a sua estreia pelo Palmeiras – o reforço aguarda somente a regularização de sua documentação. “Eu já vinha treinando normalmente, até joguei a final da Supercopa (do Brasil). Eu me sinto preparado para atuar, será uma briga sadia. Estou treinando forte para buscar o meu espaço, sempre respeitando todos os meus companheiros. Sempre darei o meu melhor para buscar o meu espaço em campo”, concluiu o atleta.

Trajetória de Rony no futebol

Nascido na cidade de Magalhães Barata, no Pará, o atacante de velocidade atua pelas beiradas do campo e começou a sua carreira profissional no Remo, clube pelo qual foi bicampeão paraense em 2014 e 2015. Após passagem pela base do Cruzeiro, foi emprestado ao Náutico em 2016 e terminou o ano como principal destaque da equipe – anotou 11 gols na Série B do Brasileiro.

O bom desempenho lhe rendeu uma transferência ao Albirex Niigata, do Japão, time que defendeu entre 2017 e 2018. Na volta ao Brasil, manteve a ascensão no Athletico-PR e conquistou o título da Conmebol Sul-Americana de 2018 em seu primeiro ano (saiu do banco de reservas e entrou nos oito jogos, tendo anotado um dos gols na semifinal).

Em 2019, tornou-se peça chave da equipe paranaense. Campeão da Copa do Brasil, foi titular em todos os jogos da campanha e marcou o gol do título contra o Internacional na decisão. Na temporada passada também foi campeão da Copa Suruga, no Japão.

FICHA TÉCNICA: RONY

Nome: Ronielson da Silva Barbosa
Posição: Atacante
Naturalidade: Magalhães Barata/PA
Nascimento: 11/05/1995
Clubes: Remo (2014-2015), Cruzeiro (2015-2016), Náutico (2016), Albirex Niigata (2017-2018), Athletico-PR (2018-2019), Palmeiras (desde 2020)
Títulos: Campeonato Paraense (2014 e 2015), Copa Sul-Americana (2018), Copa Suruga (2019) e Copa do Brasil (2019)

Em boa fase, Raphael Veiga renova contrato e torce por sequência

Mariana Giovinazzo
Departamento de Comunicação

Raphael Veiga começou a temporada 2020 em alta com Vanderlei Luxemburgo. Elogiado pelo técnico, o meio-campista impressiona pela qualidade técnica e foi classificado por Luxa como “imprescindível”. Nesta terça-feira (25), o jogador renovou seu contrato com o Palmeiras por mais duas temporadas – o vínculo era até dezembro de 2021 e foi estendido até o final de 2023.

Após atuar aberto pelo lado esquerdo nas primeiras partidas do ano, o jogador tem sido utilizado mais centralizado. “O professor perguntou perguntou se me sentia confortável jogando pelo lado e eu disse que não me sentia tanto assim. Falei como preferia jogar, ele entendeu e foi ajustando no treino. Ele viu que as coisas foram caminhando e me colocou para jogar. Consegui ir bem e fazer gol. Participei dos últimos jogos, me sinto importante e bastante valorizado. Espero ter sequência para que as coisas continuem a evoluir bem”, contou o camisa 23 palmeirense.

Raphael Veiga concedeu entrevista coletiva após o treino desta terça-feira (25) (Cesar Greco/Palmeiras)

O Palmeiras vem de três vitórias no Campeonato Paulista. Veiga entrou em campo nos últimos dois triunfos – contra o Mirassol, inclusive, balançou as redes na virada por 3 a 1. O próximo desafio do Maior Campeão do Brasil no estadual é contra o Santos, no sábado (29), às 16h, no estádio do Pacaembu. Diante do rival do litoral, o meio-campista espera que o Verdão possa manter a boa fase.

“Sabemos que todo clássico é diferente, é um jogo à parte. Todo time se concentra e quer dar a vida contra o Palmeiras. Sabemos dos jogadores de qualidade que o Santos tem. Será um jogo difícil, queremos fazer uma boa partida”, analisou.

O meia conhece bem Rony, contratado pelo Verdão a última sexta-feira (21). Os dois jogaram juntos no Athletico-PR e foram campeões da Copa Sul-Americana pela equipe paranaense em 2018. “Nos demos muito bem lá, é um amigo. Fico feliz que ele veio e que essa situação tenha se desenrolado. Acredito que ele queria vir. Ele está bastante feliz e motivado. Contei algumas coisas daqui, falei como funciona”, revelou Veiga.

No Athletico-PR, o jogador também se habituou com outra novidade do Palmeiras para esta temporada: o gramado sintético. “Sempre gostei da grama sintética, por ser regular. Mas não é algo que vai justificar os resultados. É um pouco diferente e precisa de tempo para se adaptar, mas nada que chegue a ser determinante. A grama é tão boa quanto a do Athletico. A experiência ajuda, mas não determina nada. Temos de fazer nosso papel”, completou.

Departamento de Comunicação
Thiago Kimori

Um dos principais nomes do Palmeiras nos últimos anos, Dudu poderá atingir uma marca histórica com a camisa do Verdão na próxima quinta-feira (20), às 21h30, caso entre em campo contra o Guarani, no Allianz Parque, em confronto válido pelo Campeonato Paulista. Com 299 jogos, o camisa 7 está muito próximo de chegar ao 300º duelo pelo Maior Campeão do Brasil, marca que não é alcançada no clube há 15 anos – o último atleta a conseguir tal feito foi o goleiro Sérgio, no dia 11/09/2005, na vitória por 3 a 1 sobre o Paraná Clube (o ex-camisa 1 encerrou a carreira com 333 partidas).

“É bem difícil (chegar os 300 jogos). Grandes jogadores fazem uma ou duas temporadas no máximo e já saem do clube. O último jogador que completou 300 jogos pelo Palmeiras foi há 15 anos. Isso é raro, e eu terei a oportunidade de completar na quinta, caso o Luxemburgo me escale (risos). Fico feliz por completar essa marca. Tenho um contrato longo, espero completar 400, 500 jogos… Se o Palmeiras quiser renovar comigo, aí vou para 600 (risos)”, afirmou o atacante.

 Dudu é o primeiro atleta de linha a alcançar a marca neste século – o último foi o meio-campista Cesar Sampaio, que chegou a 300 jogos em 16/05/2000; já o também volante Galeano alcançou a marca de 400 jogos meses depois, em 19/11/2000.

“Eu me considero um jogador importante de 2015 para cá na história do Palmeiras. O Palmeiras me ajudou muito, assim como os meus companheiros de 2015, 2016, 2017, 2018, 2019 e agora de 2020. Espero que eu ainda possa ficar mais alguns anos aqui, tenho um contrato longo. Todos falam que, a partir da minha contratação, a história do Palmeiras começou a mudar, mas eu quem agradeço ao Palmeiras por tudo o que me proporcionou. Espero cumprir o meu contrato até o fim e conquistar ainda mais coisas com o Palmeiras”, completou.

A estreia do camisa 7 pelo Verdão ocorreu no dia 25/01/2015, em amistoso vencido por 3 a 2 sobre o Red Bull Brasil, no Allianz Parque (entrou no segundo tempo no lugar do meia Allione). Com a marca de 299 jogos alcançada no último dia 8, contra a Ponte Preta, ele aumentou o saldo como jogador de linha que mais entrou em campo pelo Palmeiras no século 21 – está atrás apenas do goleiro Marcos, com 392 disputados desde 2001.

Em toda a história palestrina, Dudu ocupa a 33ª posição na lista dos que mais jogaram pelo clube, logo atrás de Carnera, ídolo das décadas de 30 e 40, e Rosemiro, destaque dos anos 70 e 80, ambos com 302 partidas – o líder do ranking é Ademir da Guia, com 902 partidas. Entre os atacantes, ele é o 5º, atrás de César Maluco, craque dos anos 60 e 70, com 327 – o líder é o ponta-esquerda Nei, com 490 jogos nos anos 70.

Campeão da Copa do Brasil em 2015 (fez os dois gols na final contra o Santos) e também dos Brasileiros de 2016 (foi o líder de assistências do time com 10) e 2018 (também líder de assistências com 14), Dudu é o jogador de linha que mais venceu pelo Verdão no século 21: 171 vitórias, atrás apenas do goleiro Marcos, com 182. No geral, figura na 30ª posição dos jogadores com mais vitórias na história do clube ao lado de César Maluco – o ranking é liderado por Ademir da Guia, com 514 triunfos. Considerando só atacantes, ele é o 5º colocado – Nei é o líder com 255 vitórias.

Quando o assunto é bola na rede, Dudu segue se destacando. Com 69 gols (o mais recente anotado contra o Red Bull Bragantino, no último dia 2), ele é o artilheiro palmeirense no século 21, seguido de Vágner Love (54) e Willian Bigode (44). No geral da história palestrina, ocupa a 32ª colocação, logo atrás de Nei, com 71 gols – o líder neste quesito é Heitor, com 317.

Dudu é também o 2º maior artilheiro da história do Palmeiras em Campeonatos Brasileiros com 41 gols, atrás apenas de César Maluco, com 61, além de ser o 9º palmeirense com mais partidas pelo torneio (154) e o 7º com mais vitórias (85, ao lado de Marcos). Na Libertadores, Dudu é o 4º jogador com mais vitórias na história do Palmeiras (19, atrás apenas de Ademir da Guia e Alex, com 20, e do líder Marcos, com 27), o 4º com mais jogos (32) e o 9º com mais gols (5).  Com 17 gols só em Campeonatos Paulistas, o camisa 7 é o 4º no ranking de artilheiros alviverdes no século 21 – apenas dois tentos separam o atacante do primeiro colocado, Valdivia, com 19 gols (entre os dois estão Diego Souza e Edmundo, ambos com 18).

Além disso, o jogador domina os números no Allianz Parque desde a inauguração da arena, em 2014. Ele é quem mais jogou no estádio (124 vezes), mais venceu (88 triunfos), mais fez gols (balançou as redes 32 vezes) e mais serviu seus companheiros (concedeu 33 assistências), além de ser o maior artilheiro do Gol Norte (com 12 tentos) e do Gol Sul (com 20 bolas na rede).

Na temporada passada, Dudu foi o palmeirense com mais jogos (65), mais gols (13, ao lado de Gustavo Scarpa) e mais assistências (18).

Neste Campeonato Paulista de 2020, Dudu lidera a lista de maiores dribladores com 12 fintas sobre seus marcadores mesmo sem ter jogado pela 3ª rodada, diante do Oeste (poupado), e pela 6ª rodada, diante do Mirassol (suspenso). O camisa 7 está ao lado de Thomaz, da Inter de Limeira. Em dribles certos (ou seja, quando a bola continua sob posse do jogador após a finta), Dudu segue como primeiro colocado, também ao lado de Thomaz: 10 dribles cada. Os dados são do Footstats e estão atualizados até o encerramento da 6ª rodada.