Abel Ferreira

  • Estreia: 05/11/2020
  • 144 Jogos
  • 5 Títulos

Retrospecto da comissão técnica:

162 jogos | 95 vitórias | 35 empates | 32 derrotas | 278 gols marcados | 130 gols sofridos

Abel Ferreira: 144 jogos | 85 vitórias | 29 empates | 30 derrotas | 239 gols marcados | 113 gols sofridos
João Martins: 16 jogos | 10 vitórias | 5 empates | 1 derrota | 37 gols marcados | 13 gols sofridos
Vitor Castanheira: 2 jogos | 1 empate | 1 derrota | 2 gols marcados | 4 gols sofridos

__________________________________________________________________________________

Abel Ferreira é o primeiro técnico da história a colecionar pelo menos um título de campeonato estadual, um de campeonato nacional e um de campeonato internacional pelo Palmeiras. Maior campeão internacional do clube (três taças, contra duas de Felipão e uma de Ventura Cambon) e na quarta posição dos técnicos com mais títulos de campeonato no geral (cinco), ficando atrás apenas de Felipão (seis), Oswaldo Brandão (sete) e Luxemburgo (oito), o português é o primeiro técnico europeu campeão paulista desde o húngaro Bela Guttmann, do São Paulo, em 1957 – levando em conta apenas o Palmeiras, o feito se torna ainda mais raro: o último estrangeiro campeão paulista havia sido o uruguaio Ventura Cambon, em 1950, e o último europeu tinha sido o italiano Caetano De Domenico, em 1940.

Já são nove finais pelo Palmeiras
(Libertadores 2020 e 2021, Copa do Brasil 2020, Supercopa do Brasil 2021, Recopa Sul-Americana 2021 e 2022, Campeonato Paulista 2021 e 2022 e Mundial de Clubes 2021), atrás só do recordista Felipão, com dez. Em decisões internacionais, os dois estão empatados com cinco cada.

Sexto treinador na história do Palmeiras a atingir mais de 100 jogos em apenas uma passagem pelo clube, igualando os feitos de Felipão, Luxemburgo, Osvaldo Brandão, Rubens Minelli e Gilson Kleina, é o único estrangeiro a chegar a esta expressiva marca de forma consecutiva – o uruguaio Ventura Cambon (294 jogos) e o argentino Filpo Nuñez (154 jogos) também ultrapassaram o centésimo duelo, mas somando mais de uma passagem pelo Verdão.

No Allianz Parque, Abel já é o treinador que mais comandou e mais venceu com o Palmeiras na história, além de ter estabelecido o recorde de vitórias em sequência no local: dez no total. Em Libertadores, são impressionantes 15 vitórias em 20 partidas (só Felipão ganhou mais do que ele, 23 vezes, mas em 43 partidas). Somando toda a comissão técnica portuguesa, são 23 jogos na competição continental, 17 vitórias, só duas derrotas, incríveis 60 gols marcados e apenas 16 sofridos. Neste período, mais dois recordes: maior sequência invicta do Palmeiras na história da competição (11 jogos) e maior sequência de invencibilidade fora de casa entre todos os clubes do continente em todos os tempos (já são 19 partidas com mando do adversário ou em campo neutro, com 14 vitórias e cinco empates).

Uma das principais revelações de uma geração de jovens técnicos portugueses, Abel Ferreira disse em sua apresentação na Academia de Futebol, em novembro de 2020, que não atravessara o Atlântico para passar férias. Com pouco mais de três anos como treinador profissional, o ex-lateral-direito do Sporting Lisboa-POR buscava o primeiro troféu na nova carreira e afirmou ter aceitado o desafio de comandar o Palmeiras porque via no clube a grandeza e as condições necessárias para alcançar o objetivo.

Mas talvez nem ele imaginasse que o sonho poderia se tornar realidade em tão pouco tempo. Campeão da Libertadores com apenas 26 jogos à frente da equipe, Abel só não conquistou um título mais precocemente neste século do que Vanderlei Luxemburgo, que faturou o Paulista de 2020, já em sua quinta passagem pelo clube, com 20 partidas de trabalho. Primeiro técnico estrangeiro a levantar um troféu pelo Verdão desde o argentino Filpo Nuñez, em 1965, entrou definitivamente para o grupo dos lendários comandantes palestrinos ao faturar também a Copa do Brasil em sua temporada de estreia – apenas ele e Luxemburgo, em 1993, conquistaram mais de uma taça no primeiro ano de clube.

Único técnico a ganhar dois títulos em uma mesma temporada pelo Palmeiras neste século, o português se juntou a Humberto Cabelli (1933), Ventura Cambon (1951), Oswaldo Brandão (1972), Vanderlei Luxemburgo (1993 e 1994) e Felipão (1998) no grupo dos que conquistaram mais de um título de campeonato na mesma temporada em toda a história do clube.

Chefiando uma comissão técnica composta por outros quatro integrantes multidisciplinares, implantando ideias claras de jogo, um repertório de ações ensaiadas em campo e um discurso direto e eloquente fora dele, o jovem treinador rapidamente ganhou o respeito do elenco e a admiração do torcedor. O lema “todos somos um” virou mantra, o ensinamento da “cabeça fria e coração quente” se tornou combustível na busca pelas vitórias e o “Avanti, Palestra” a plenos pulmões antes dos jogos, a chama.

Carreira na Europa e estrangeiros no Palmeiras

Primeiro português, oitavo europeu e 23º estrangeiro a assumir o comando do Maior Campeão do Brasil na história, Abel Ferreira iniciou a carreira de técnico na equipe sub-19 do Sporting Lisboa-POR em 2011/2012, conquistando o título nacional da categoria já em sua primeira experiência no cargo. Subiu para o time B do Sporting na temporada 2013/2014 e foi contratado pelo Braga B em 2015. Dois anos depois, foi promovido a treinador da equipe principal do Braga e, logo na temporada de estreia na elite do Campeonato Português, em 2017/2018, levou o time à quarta posição com uma campanha recorde em pontos (75), gols (74) e vitórias (24).

Depois de novamente alcançar a quarta colocação com o Braga, transferiu-se ao PAOK-GRE e obteve o vice-campeonato nacional em 2019/2020, garantindo vaga para a fase eliminatória da Liga dos Campeões da Europa, quando eliminou o Benfica-POR do ex-técnico flamenguista Jorge Jesus antes de se aventurar em solo tupiniquim. O último treinador do Palmeiras nascido na Europa tinha sido o italiano Caetano De Domenico, campeão paulista em 1940, ainda na época do Palestra Italia, enquanto o mais recente comandante de fora do país era o argentino Ricardo Gareca, em 2014.

O primeiro técnico estrangeiro foi o italiano Adriano Merlo, que trabalhou em um jogo da campanha do título paulista de 1920, o primeiro da história alviverde, e conduziu a equipe ao bi estadual em 1926, em parceria com Ítalo Bosetti. Ainda na época do Palestra Italia, o uruguaio Humberto Cabelli ficou marcado pela conquista do único tricampeonato paulista do clube (alcançou o título invicto em 1932, levou a taça pela segunda vez seguida em 1933 e deixou o time por um breve período em 1934, mas voltou no mesmo ano e se sagrou campeão com apenas uma derrota).

Presente no tricampeonato paulista de 1932, 1933 e 1934 como jogador, o também uruguaio Ventura Cambon se tornou o treinador estrangeiro com mais partidas disputadas pelo Verdão (é o quarto no geral com 294 jogos) e o técnico que mais vezes assumiu o comando da equipe, de maneira interina ou efetiva, independentemente da nacionalidade, em todos os tempos (15 no total). Campeão paulista em 1944 dividindo o cargo com o ídolo Bianco, Cambon teve seu melhor momento no início da década de 50, quando, já em janeiro de 1951, pegou o time na reta final de um Paulistão praticamente nas mãos do São Paulo e conseguiu levar o Palmeiras ao título estadual de 1950. Meses depois, era ele o treinador na conquista do mais importante troféu da história do clube, o Mundial Interclubes de 1951, e faturou ainda o Torneio Rio-São Paulo daquele ano.

Outro estrangeiro de sucesso foi o argentino Filpo Nuñez, grande maestro da Academia de Futebol do Palmeiras, que brilhou na campanha vitoriosa do Rio-São Paulo de 1965. Além de praticar um jogo coletivo e envolvente, o time alviverde era uma máquina ofensiva: foram 12 vitórias em 16 jogos, apenas uma derrota, e uma média de três gols por partida (49 bolas na rede), com direito a goleadas de 7 a 1 no Santos, 5 a 0 no São Paulo e 4 a 1 no Vasco e no Flamengo. Filpo ostenta até hoje o feito de ser o único técnico nascido fora do país a comandar a Seleção Brasileira, quando o Brasil foi inteiramente representado pelo Palmeiras na partida inaugural do Estádio Mineirão, também em 1965, e venceu a seleção do Uruguai por 3 a 0.

Abel Fernando Moreira Ferreira 22/12/1978
Penafiel (Portugal)

Clubes

2017-2019
Braga-POR
2019-2020
PAOK-GRE
desde 2020
Palmeiras

Títulos

Conmebol Libertadores (2020 e 2021)
Recopa Sul-Americana (2022)
Copa do Brasil (2020)
Campeonato Paulista (2022)
Desenvolvido por Foursys